Vegetarianismo em Portugal

Eu, sempre às voltas com minhas receitas, preocupada com a saúde, sem deixar de pensar no orçamento, fui logo que cheguei aqui em Portugal, conhecer os mercados todos e verificar como seria. A boa notícia é que alimentação está entres os pontos mais favoráveis no baixo custo de vida local. A comida em Portugal é boa (excelente, diga-se de passagem) e barata! Além disso, muito mais familiar para uma brasileira do que a espanhola. Açaí na sessão de sorvetes do mercado? Temos! Tapioca para fazer em casa de manhã? Temos também.

Ainda não consegui ir num número aceitável de restaurantes vegetarianos/veganos, para escrever um post específico sobre comer fora, mas nesse que fiz para o BPM, já dá para se ter uma boa ideia do que é ser uma vegetariana (com orçamento limitado) em terras lusitanas!

“Vegetarianismo em Portugal: variedade e custos.

Eu sou vegetariana, ou lacto-ovo-vegetariana, sendo mais específica, ou seja, não como nenhum tipo de carne animal, mas como eventualmente derivados de leite, ovos ou mel. Quando parei de comer carnes, morava em Brasília, e facilmente me adaptei ao novo cardápio. Nunca tive dificuldade de me alimentar assim morando lá e muito menos em São Paulo, onde morei depois por mais 2 anos. A variedade e disponibilidade de feiras, onde se consegue comprar vegetais frescos a bom preço é enorme no Brasil, e ao contrário do que algumas pessoas pensam, a alimentação sem carnes é consideravelmente mais barata do que a onívora. É só lembrar que vegetarianos não precisam de nada especial, é só não comprar a carne, e comer todo o resto!

(…)

Talvez por estar em uma cidade média, o processo de adaptação foi muito fácil, quase imperceptível…” Para ler o texto na íntegra, clique aqui!

Mais Receitas Veganas para o Natal

Mais receitas veganas para o Natal, porque nunca é demais compartilhar inspiração para quem quiser ter um Natal sem carnes, lindo, saboroso e gostoso!

Eu ainda não sei como será nosso natal. Até ontem, e esse texto é de 08/12, nem casa nós tínhamos, hoje já temos! Yeyyyyy! Mas falta ter água, luz, internet, móveis, geladeira, comida na geladeira, fogão, etc. Nosso empenho nas próximas semanas vai ser organizar tudo e com sorte, e uma boa dose de trabalho duro talvez tenhamos algo para chamar de lar até o Natal. Se não, a gente enche os colchões de ar, liga o fogareiro e o lampião e faz um acampamento na sala de casa, e uma super ceia de feijões em lata e pepino em conserva, talvez pizza delivery! Huahauhauhua

Brincadeiras (e realidades) à parte, eu desejo a todos um Natal lindo, maravilhoso, aconchegante, cheio de amor, seja da família ou amigos, e espero que o ano novo traga novos ares, e novas decisões positivas para todos.

Fica minha dica de por onde começar: uma ceia vegana! Espero que gostem!

Feliz Natal! ❤

Pasta de Couve-flor

Essa terça temos uma receitinha, pra variar. Tô tentando voltar a incrementar as diversas partes do blog.

Essa receita inventei faz um tempinho, e não tenho boas fotos do produto final, pois fiz na véspera de uma das road trips e levamos e comemos tudo, então faltou tempo pra foto. Mas comida é boa é assim, né. A gente só lembra da foto depois… mesmo nesses tempos de instagram.

Bom, essa pasta tem várias vantagens. É simples de fazer, barata e vegana! Além disso fica uma delícia no pão e é uma ótima alternativa pra manteigas e pastas mais gordurosas. Aqui em casa foi sucesso total.

Vamos a receita:

Ingredientes: 

  • Couve-flor (pode colocar 1, 2 pés ou 1 pé e 1 brócolis ninja também)
  • 5 dentes de alho (ou uma cabeça inteira se você for dos meus)
  • 1 cebola média
  • curry
  • cúrcuma (opcional)
  • pimenta-do-reino
  • sal
  • azeite
  • cheiro-verde (ou outras ervas aromáticas à escolha)
  • meio limão espremido (opcional)

Modo de fazer: 

  • Pique em pedaços grandes (não precisa de delicadeza aqui, depois vamos bater tudo) a couve-flor (e o brócolis se for colocar) e a cebola (em quartos)
  • Descasque os dentes de alho (não precisa picar)
  • Coloque o alho, a cebola e a couve-flor (e o brócolis) numa panela com água e cozinhe (pode colocar pouca água, menos do que para cobrir, eles cozinham mais no vapor do que na água, e no final vamos utilizar um pouco da água só. (Pode cozinhar direto no vapor se preferir). Cozinhe até estar tudo bem mole.
  • Coloque no liquidificador ou mixer (fiz com mixer de mão e foi tranquilo) a couve-flor(e brócolis), cebola e alho cozidos, sem a água, acrescente os temperos, menos o azeite e comece a bater. Coloque um pouco de azeite pra facilitar bater e continue batendo. Acrescente mais azeite se quiser uma pasta mais oleosa e coloque um pouco da água do cozimento se estiver difícil para bater ou se quiser um creme mais líquido.
  • Se quiser colocar mais água, pode servi-lo quente, como uma sopa, um creme. Fica ótimo também. Se quiser uma pasta para passar em pães e biscoitos, coloque o mínimo de água.

Como fiz com pouca água, e muito tempero, durou uns 10 dias na geladeira. Fiz dois potes, um levamos na viagem e outro ficou aqui esperando.

img_0234

Brócolis ninja e couve-flor psicodélica catalã

img_0233

Eu aproveito inclusive os talos, cozinho até ficar macio e bato tudo, dá mais consistência e diminui o desperdício

img_0236

Cozinhando em pouca água

Cuscus (não muito) marroquino

Faz um tempão que não rola uma receitinha por aqui, e no fim de semana passado recebemos em casa um amigo, também vegetariano, e eu fiz minha versão de cuscus marroquino vegetariano para ele. Aprendi com a Isadora, uma das minhas mentoras na cozinha, e acabo variando bastante a receita, dependendo do que tem em casa ou no mercado, ou do orçamento. No dia, a fome era tanta, acompanhada de uma conversa gostosa, que nem lembrei que existia essa coisa chamada foto.

Na quarta resolvi fazer um cuscus de novo, para aproveitar algumas coisas que tinha na geladeira. O segundo não ficou nem tão bonito, nem tão tradicional quanto o de sexta passada, mas ficou uma delícia também. Vou explicar as diferenças na receita, passar a mais tradicional, e sugerir as variações. As fotos são do de quarta, mas tenho certeza de que quando fizerem vão ver o quão lindo e cheiroso ele fica.

Eu sou de família goiana com mineira, descendente de italianos, logo não existe fazer comida pra 1 ou 2. Só sei fazer de baciada, pra alimentar no mínimo uns 10, e aí depois fico com a geladeira cheia. Funciona porque cozinho umas 2x na semana só e de resto vamos esquentando, reciclando e aproveitando. Mas se você quiser ser mais delicado, não confie nas minhas medidas, ou diminua tudo pelo menos em 1/3.

Ingredientes (pra no mínimo 5 pessoas, reduza as quantidades se quiser fazer para 1 ou 2):

  • 300g Cuscus marroquino (não é o tradicional cuscus de milho brasileiro, embora possa ser feito com ele também. Outra variação que fica muito boa é quinoa).
  • Alho (eu uso uma cabeça inteira, mas sou a louca do alho).
  • 1 Cebola (prefiro fazer com a roxa, mas hoje foi com a comum e também é ótimo).
  • 6 pimentões (fica mais bonito um de cada cor – vermelho, verde e amarelo – mas já fiz só com verde, só com vermelho e funciona do mesmo jeito).
  • 100g de uva passa (gosto de misturar branca e preta, mas pode ser só uma delas também).
  • 100g de damasco seco
  • 100g de tâmaras secas sem caroço
  • 50g de amendoim (prefiro o torrado sem casca)
  • 50g de nozes
  • 50g de amendoas (pode ser com ou sem casca, laminada, torrada…)
  • 50g de castanha de caju (prefiro torrada, mas pode ser crua)
  • 1 limão
  • azeite
  • sal
  • pimenta-do-reino
  • cúrcuma (açafrão-da-terra) (opcional)
  • curry (opcional)
  • salsinha (opcional)
  • cebolinha (opcional)

_______________

Às vezes mudo os ingredientes, já fiz com sementes de abóbora, girassol, gergelim. Já troquei as castanhas. Coloquei de um tipo só, ou vários. Já alterei as frutas secas, já coloquei cranberry, gojiberry. Pode explorar a criatividade. O damasco e as tâmaras garantem o sabor mais “marroquino”, mas use e abuse das variações.

Na receita das fotos estava 3 pequenos pés de brócolis quase estragando na geladeira e 1 da couve-flor psicodélica catalã, então usei eles também. Além de tomate, e um pouco de acelga que ganhamos na feira. Pode brincar com algumas folhas e verduras também.

_______________

A minha história com os pimentões:

Eu tenho uma sensibilidade muito grande ao pimentão e temos uma longa relação de amor e ódio. Na infância odiava! Não suportava nem o cheiro. No fim da adolescência e vida adulta comecei a gostar, mas toda vez que comia passava muito mal. Minha digestão ficava parada e eu não conseguia digerir mais nada, ficava bem ruim por umas 48h. Aí desisti do pimentão na vida, inclusive com orientação médica para não ingerir, por isso.

Vindo pra Catalunha resolvi repensar essa decisão, pois muita coisa aqui é feita com pimientos, ou pebrots, em castelhano e catalão, respectivamente. Descobri então a receita de pasta árabe de pimentão vermelho e romãs, a muhammara, que é maravilhosa (recomendo! Farei e postarei aqui eventualmente!) na qual a pele do pimentão é queimada! E assim descobri que quando retiro a pele do pimentão, fica tudo bem! Nada de digestão problemática! Só alegria!

Então agora venho consumindo pimentão de novo, mas sempre sem a pele. O truque é colocá-lo diretamente sobre o fogo, ou calor (aqui só tenho cooktop por indução, mas funciona igual na chama), e ir virando com auxílio de uma pinça longa, deixando a pele queimar, mas sem deixar ele carbonizar. Vá girando e verificando sempre. Depois retire do fogo e lave o pimentão em água corrente, passando bem a mão sobre ele todo. A pele saíra em pedaços queimados e ele ficará, inteirinho, macio e sem pele. Aí é só preparar como preferir!

Modo de preparo:

  • Caso vá adicionar depois os vegetais, como fiz com o brócolis e couve-flor, comece colocando eles, em pedaços, em uma panela com pouca água e cozinhando tampado, ou no vapor. Eu gosto de colocar alguns dentes de alho junto e um pouco de sal. (Se não for utilizá-los, pule esse passo).
  • Pique a cebola, alho e pimentões (já sem pele), (caso use tomate e/ou a acelga acrescente picados aqui também) e refogue numa frigideira ou wok com azeite e sal. Quando já tiverem soltado água acrescente as castanhas e frutas secas que for utilizar. Deixe que elas absorvam a água e o tempero do refogado. Quando todos estiverem bem tenros, separe.
  • Coloque o cuscus numa tigela grande (3X o tamanho da quantidade de cuscus seco, no mínimo) e cubra com água fervendo (deixe uns dois dedos à mais de água), mexa para a água alcançar todo o cuscus do fundo, e deixe em repouso por 5 min.
  • Tempere o cuscus, depois de água toda ser absorvida e ele estar macio, com o suco do limão, azeite e sal, e mexa bem. Eu gosto de acrescentar pimenta-do-reino, cúrcuma e curry, mas são opcionais. E mexa bem novamente. Se for utilizar salsinha seca, coloque agora. Verifique ao mexer que todo o cuscus ficou mais amarelado e macio com os ingredientes.
  • Vá aos poucos colocando o refogado e misturando. (Se for utilizar as verduras, brócolis e couve-flor, acrescente aos poucos agora também). Mexa bem para que fique bem misturada no cuscus e para que os temperos se complementem.
  • Finalize com salsinha e cebolinha, caso sejam frescas.

Sirva e bom-apetite! Pode guardar na geladeira por alguns dias (2 ou 3) sem problemas, devido aos temperos todos!

Lembrando que pode variar à vontade! Mudar os temperos, as verduras, as frutas secas, as castanhas e até mesmo o cuscus. Também funciona com o de milho e com quinoa! Quando faço com quinoa gosto de acrescentar ervilhas e cenoura!

*obs: lembro a todos sempre que não sou chef nem nutricionista, e que preparo meus pratos em casa para minha família. Pessoas com restrições alimentarem devem sempre consultar um médico ou nutricionista.

16779931_1365706503501986_1913526553_n

Resultado final, me acompanhando enquanto escrevo o post! 🙂 

img_0231

Pimentões com a pele começando a queimar.

img_3743

Ela vai ficando bem queimada. Vá girando bem, até que fique todo assim. 

img_0235

Depois de lavado e aberto. Dá pra ver que antes de abrir com a faca ele está bem inteiro! E na lavagem a pele queimada sai todinha! 

img_0233

img_0234

Detalhes da couve-flor psicodélica catalã. 

img_0236

Cozinhando no vapor!

img_0232

“Restos” de feira (ou as verduras extras que amo)! 

img_0238

Tudo picadinho pelo MasterChef André. Eu preparo, ajusto tempero e invento as receitas, mas quem pica tudo é ele! 

img_0241

Frutas secas, que depois também entraram, já picadas, naquele refogado. Dessa vez só acrescentei amendoim, das castanhas, pois era o que tinha em casa. Semana passada teve castanhas de caju e amêndoas. (Quanto mais variedade melhor)!

img_0237

Pra não confundir com o cuscus de milho brasileiro. 

img_0239

Coberto de água fervendo. 

img_0240

Com os temperos por cima, antes de mexer. 

img_0242

Processo bagunceiro de mistura! 

img_0243

Fica bom!!! ❤