Road trip de Julho – parte 4 – De Volta pra Casa

Veneza foi o ponto mais distante que visitamos. Esse post engloba o que foi praticamente uma viagem de volta. Eu pessoalmente sou muito fã de roteiros circulares, já que é possível aproveitar muito mais. Então nosso plano englobou a volta por outro caminho, ampliando bastante o que tivemos chance de conhecer. Vamos à viagem!

Dormimos duas noites no camping próximo de Veneza, e o dia que passamos ali reservamos inteiramente para a Sereníssima. Não andamos o dia todo na cidade, claro, ficamos um bom tempo descansando no camping e revisando mapas, além de sofrer com o calor, claro! Este camping era especialmente lotado, com divisões de parcelas (o espaço para cada grupo) muito apertadas, para maximizar a capacidade. O resultado disso foi muito barulho e banheiros muito cheios (apesar de não sujos) e sem papel disponível (sempre, sempre leve o seu!). O público do camping também não ajudou, sendo composto de muitos jovens, o que aumenta a tendência para gritaria e músicas altas, quase sempre de péssima qualidade. Se vocês desejam tranquilidade, busquem campings familiares!

Para sair do camping e chegar na cidade foi um sufoco. Veneza é um local de acesso muito difícil, ainda mais caso se queira levar um cachorro. Tentamos pegar um ônibus, mas como qualquer coisa na Itália, o processo é tão complicado que é melhor evitar (o bilhete tinha que ser comprado anteriormente, mas não havia onde comprá-lo). Resolvemos ir de carro, mesmo sabendo que seríamos roubados pelo estacionamento. E de fato fomos, pagamos 18 euros por 3h nas ilhas… Do estacionamentos seguimos a pé até a Piazalle Roma, onde começa a Veneza de fato. Tínhamos um mapa e queríamos chegar na Piazza San Marco, passando pela ponte Rialto. Mas andar pela cidade provou-se um grande desafio, mesmo com, ou por causa de, as placas que indicavam o caminho da maneira mais imprecisa possível. A cidade conta com uma quantidade absurda de becos, turistas e lojas caras, tudo junto. Muitas vezes a velocidade de caminhada não passa do equivalente de uma procissão, e encontramos muitos locais em que a mesma direção era apontada em caminhos opostos pela sinalização. Depois de algum sofrimento, chegamos na ponte Rialto, e nos arrependemos. A própria ponte possui lojas sobre ela e o que parece ser um destacamento permanente de madames revestidas de roupas de marca bloqueia a passagem. Depois de algum tempo, alcançamos a Piazza San Marco. De lá seguimos por uma rua que contorna o sul de Veneza, aberta para o mar por algum tempo. Mas logo não aguentamos o calor e nos embrenhamos novamente para dentro das vielas. A vantagem de ter passado a Piazza é que a quantidade de turistas diminuiu bruscamente, e então podemos aproveitar melhor o passeio. Também achamos uma fonte, e com isso acabamos nos molhando inteiros para nos refrescar (inclusive o Picot!). Dali, o passeio se tornou mais agradável. Seguimos até próximo do Arsenal, onde assumimos que estávamos cansados e resolvemos voltar. Acho que andamos coisa de 10km, sob calor intenso (nosso ponto fraco!).

Passando para nossas impressões da cidade, devo dizer que foi melhor do que o esperado. A quantidade de pessoas não é algo que seja possível culpá-la, claro, mas os prédios comuns não estão bem conservados, mesmo cada lugar ali custando uma fortuna, nós vimos em imobiliárias locais (a gente adora isso!). Mas de maneira geral a cidade é bastante única, com uma história muito rica. A Piazza San Marco é incrivelmente grande, o que eu não esperava, e muitíssimo bem trabalhada. Uma somatória de prédios importantes no local deve dar para os arquitetos um espetáculo a parte, mas eu como leigo só posso admirar a riqueza de detalhes e luxo, sem consideração pelos estilos. Tanto a catedral como o palácio do Duque são dignas do poder comercial que foi a cidade, definitivamente. Uma vantagem intrínseca da cidade é a ausência de carros. Isso iguala todos os turistas, democratizando o acesso e ampliando o compartilhamento dos espaços. E principalmente, a cidade não fede, como dizem as más línguas. De maneira geral, vale a visita, mas muito cuidado para a síndrome de Paris não se estender para Veneza!

Na manhã seguinte, depois de resolvermos um sumiço de passaporte que o camping mantém como refém quando você se hospeda e depois não sabe onde guardou, seguimos para oeste, na direção de casa! Passamos rapidamente por Pádua (pedido meu, por questões familiares), somente para perceber que não havia nada para se ver na cidade além da Basílica de Santo Antônio. Mas eu fiquei feliz de ter descoberto que o nome do lugar, e consequentemente o meu, vem da antiga vila de Patavium, anterior até ao domínio romano.

Seguimos para Milão, onde chegamos ainda cedo. Aqui gastamos mais tempo, primeiro rodando seu Parco Sempione e o Castello Sforzesco, depois andando até a Catedral. Como outros locais, esse eu já conhecia, mas achei que valia a pena uma segunda visita, além de levar a Ju até um ponto em que eu garantia que valia a pena! O Parque é bastante amplo e bem cuidado e o Castelo permite a visita de muitas áreas de maneira gratuita, além de ser um excelente exemplar de construção militar antiga. A cidade prova que continua sendo o destaque econômico no vale do Pó por seu tamanho, pela qualidade dos espaços públicos e pelo nível de suas construções. Na cidade, a maioria dos locais são bem preservados e cuidados, limpos e bem planejados. Eu acho uma cidade muito boa para se passar algum tempo caminhando a esmo, já que isso sempre te levará a algum lugar agradável e bonito.

De Milão fizemos o que deveria ser uma volta rápida pela cidade de Como, para que a Ju visse pelo menos uma parte de um lago na beira dos Alpes. A cidade em si foi tranquila de passar, apesar das ruas estreitas. O problema foi na volta, quando eu errei feio o caminho por ter acreditado nas placas e acabamos perdendo um tempo precioso indo para lugar nenhum… Eventualmente nos encontramos e seguimos a estrada para Aosta. Aqui neste caminho tivemos uma surpresa desagradável. Vimos uma placa que indicava um castelo próximo da estrada, inclusive o próprio castelo era visível e muito, muito bonito. Ficamos um tanto excitados com a ideia de visitá-lo mas, depois de muitas voltas em estradinhas confusas, e de pagar muitos pedágios, chegamos lá só para descobrir que hoje ele é um restaurante ultra-chique e a visitação é proibida. Minha vontade era arrancar todas as placas no caminho, para que ninguém mais fosse enganado como nós fomos… Saindo do “castelo” entramos logo no Vale de Aosta.

Depois de mais um erro de navegação nos custando um bom tempo, no qual a Ju empatou o placar de erros comigo, encontramos a pequena estrada que levava para o nosso camping. O problema é que parecia que todos os italianos resolveram subi-la ao mesmo tempo, e pegamos um transito absurdo por entre pequenas vilas de montanha. Apesar da desordem da estrada, aqui temos que admitir que a paisagem era deslumbrante, tendo até vista para montanhas com neve eterna dos alpes. As montanhas e vales dos Alpes italianos são bem diferentes do que estamos acostumados nos Pirineus, com formatos mais acentuados e rios mais caudalosos. Ou pelo menos foi o que eu senti. Pudemos aqui aproveitar uma noite de frio, além de conhecer um canto da Itália que mais parecia a Alemanha, inclusive com um dialeto que se assemelhava a línguas germânicas.

No dia seguinte, saimos cedo e tivemos nossa penúltima decepção com a Itália no pedágio de fronteira, que custava 45 euros! O rapaz que trabalhava ali, vendo minha indignação, me indicou outro caminho, por sobre os alpes. Voltamos na estrada e tivemos a última decepção quando depois de uma curva abrupta a estrada bifurcava, não dando tempo ao motorista de escolher o lado que seguir caso não soubesse disso de antemão (claro que não havia placas antes). Rodamos por mais de uma hora para fazer o retorno e desembolsamos mais 7 euros de pedágio. Por fim, acertamos a estrada e passamos pelo Col du Saint Bernard e descemos as montanhas em direção de Bourg Saint Maurice. O ponto importante aqui é que planejávamos visitar Chamonix e o Mont Blanc, mas não havia rota não pedagiada naquela direção. Resultado é que alteramos nosso caminho para não gastar todo nosso dinheiro no pedágio, mas acabamos tendo boas surpresas do “lado pobre” dos alpes.

Bourg Saint Maurice é uma cidade de montanha francesa bem parecida com as dos Pirineus. Muito simpática e simples. Aproveitamos a visita para reabastecer suprimentos. No inverno a região deve ficar tumultuada com o turismo de esqui, imagino eu, pela quantidade de lojas de turismo fechadas. Dali seguimos para Annecy, onde aproveitamos as belezas de um lago de um azul cristalino junto as montanhas e enfrentamos um trânsito bastante parado e agressivo. Seguimos direto para Lyon, onde só cruzamos a cidade de carro, gastando tempo até demais no caminho, e seguimos a estrada até Brive la Gaillarde, atravessando um imenso vazio demográfico no meio da França. Chegamos tão tarde no camping e saímos tão cedo que o atendente da recepção se recusou a cobrar nossa estadia!

Nossa última cidade visitada foi Rocamadour, um casarão sobre um penhasco, com a cidade e a igreja construída na encosta mais abaixo. O local é fortemente frequentado por católicos, como uma peregrinação, mas eles são extremamente simpáticos com turistas e suas igrejas ficam permanentemente abertas para visitação gratuita. O cenário de pedra, com uma dose imensa de verticalidade, impressiona bastante. Mesmo cansados da viagem toda, tendo dirigido por dezenas de horas em poucos dias e tendo visto muitos locais únicos, Rocamadour foi uma agradável surpresa para terminarmos bem. É um daqueles locais que as fotos não são muito aprimoradas ou tiradas de um jeito específico para ficarem boas, o lugar é exatamente aquilo que a foto mostra! Saindo dali, pegamos o caminho inteiro até a Catalunha, onde a Ju já ficou em Puigcerdà para pegar o trem para Barcelona e resolver algumas burocracias, enquanto eu vim para casa com o Picot. Ufa!

—————————————————————————————————————————————–

Como prometido, farei uma relação de lugares da Itália que visitamos e outros locais mais bonitos e provavelmente mais baratos e acessíveis que são equivalentes. Isso por causa da chuva de críticas que fiz ao país, me sentindo na obrigação de dar alguma alternativa. Listei somente cidades que eu visitei.

Cinque Terre – No texto eu já disse que Paraty ou Trindade são melhores, mas uma opção européia é Cadaqués, com uma beleza natural e de construções superiores, um bom atrativo artístico com a presença forte de Dalí e ainda com crema catalana! (um crème brulée local)

Lucca – Apesar de seus muros convertidos em um parque serem especiais, esse talvez seja o único atrativo real da cidade. Carcassone também é murada, e ainda é fácil encontrar crepes de Nutella. Toledo ou Girona também são muradas e valem uma visita.

Pisa – Quer ver uma torre bem construída, com riqueza de detalhes, num local deslumbrante e que não entorta porque foi bem planejada? Vá para Lisboa e aproveite a Torre de Belém, aproveite para comer muitos doces portugueses!

Florença – Essa não tem substituição, admito.

Veneza – Apesar de bastante única, seu estilo não muda tanto assim de Amsterdã. Bruges também tem lindos canais, além de bons chocolates.

Gênova – A história de Gênova não pode ser substituída, mas no quesito agradabilidade e estilo, volto a sugerir Lisboa, outro porto importante com um destaque na época moderna. Também Londres, apesar de importante em diversos momentos, se superou na idade moderna e sua navegação, apesar de fluvial, foi de extrema importância.

Milão – Apesar de eu gostar muito dessa cidade, seu castelo não é melhor que o de Carcassone. Mantido o mesmo estilo, temos o de Perpignan também, feito de tijolinhos e com um grande pátio interno.

Vale de Aosta – Quando o assunto é montanha, eu sou um forte defensor dos Pirineus. O esquecido Val d’Aran é mais acessível (seu túnel não tem pedágio), mais tranquilo e incrivelmente bonito (vale conferir o post que fizemos!).

Acho que é isso, pessoal. Espero que vocês tenham gostado da viagem, e se precisarem de dicas, estamos sempre à disposição!

DCIM100GOPRO

Veneza (Itália)

DCIM100GOPRO

Veneza (Itália)

DCIM100GOPRO

Veneza (Itália)

DCIM100GOPRO

Veneza (Itália)

DCIM100GOPRO

Veneza (Itália)

DCIM100GOPRO

Veneza (Itália)

DCIM100GOPRO

Milão (Itália)

DCIM100GOPRO

Milão (Itália)

DCIM100GOPRO

Milão (Itália)

DCIM100GOPRO

Annecy (França)

DCIM100GOPRO

Annecy (França)

DCIM100GOPRO

Lion (França)

DCIM100GOPRO

Rocamadour (França)

DCIM100GOPRO

Rocamadour (França)

DCIM100GOPRO

Rocamadour (França)

DCIM100GOPRO

Rocamadour (França)

DCIM100GOPRO

Rocamadour (França)

DCIM100GOPRO

Rocamadour (França)

Na fan page do blog no Facebook você pode conferir todas as fotos e vários videos sobre essa viagem completa!

Dicas de Road Trip – Pegando a estrada

Sei que o André já está comentando bastante sobre as dicas relativas a viagens de carro nos posts sobre viagem dele, mas considerando a última que fizemos, acho que o tema merece um post próprio focado em dicas práticas sobre o tema.

Desde que tenho carteira faço viagens de carro, sempre fiz o trajeto Brasília-Pirenópolis várias vezes ao ano, e depois, com a mudança pra São Paulo, fiz BSB-SP algumas vezes, além de várias outras mais próximas da capital paulistana, como idas a Paraty, Trindade, Campos do Jordão, Monte Verde, São Francisco Xavier e outras.

Quando viemos morar na Espanha, um dos debates foi: ir para uma cidade maior (como Barcelona) e viver de transporte público, como fazíamos em SP, ou pro interior e ter carro? Essa discussão foi revisitada por muito planejamento financeiro e também pelos nossos objetivos. Como estamos trabalhando pela internet, o local de moradia não era definitivo, e depois de muitas contas na ponta do lápis, percebemos que valia mais a pena, pro nosso perfil, procurar um aluguel baratinho, nas montanhas e ter um carro para os deslocamentos fora da cidade (que dá pra atravessar a pé em 8 min). Isso facilitou muito nosso acesso às trilhas de montanha, e paisagens naturais escondidas, além de nos proporcionar as viagens de carro, que acabam saindo por um custo bem mais baixo que se fizéssemos de trem ou ônibus.

Essa discussão aliás, foi muito bem tratada pela Mari e pelo Plácido do Livre Partida, nesse vídeo aqui sobre Mochilão X Overlander (o termo usado para quem viaja de carro), e eu fortemente recomendo que assistam e pensem na reflexão deles. Nós, assim como eles, preferimos estar em meio a natureza, e aproveitar a viagem de forma menos tradicional, mas longe dos centros urbanos e dos pontos turísticos tradicionais, e conhecendo trilhas e lugares mais distantes e com isso a road trip se torna a opção mais viável.

Outra questão, a respeito da viagem de carro, é que sempre existem duas opções: pegar as rodovias expressas ou vias alternativas. As autopistas são mais bem pavimentadas, com velocidade mais alta (entre 110 e 130 km/h na maior parte das vezes) e também geralmente pedagiadas (na Espanha os pedágios são mais raros e menos caros, na França são comuns e mais caros, mas bem sinalizados com vias alternativas sugeridas, na Itália todas as rodovias são pedagiadas, os pedágios são muito caros e as vias alternativas não são sinalizadas). Um momento que nos assustou muito na Itália, foi que para cruzar os Alpes, de Aosta para Chamonix, passando ao lado do Mont Blanc, o pedágio do túnel, apenas do túnel, é de $45,00 euros!!! Existe a opção de passar pelo Col (como a maioria dos portos de montanha e picos são conhecidos – embora um italiano nos tenha corrigido para Piccolo – e aí é de graça, embora mais lento, por St. Bernard.

As vias alternativas às vezes são muito pequenas e estreitas, e em algumas de montanha não dá pra passar dos 40km/h, mas outras vezes são boas estradas de mão dupla, nas quais é possível chegar entre 80 e 100km/h. Eu confesso que prefiro mil vezes dirigir nas vias alternativas do que nas autopistas! Nas autopistas não consigo ver nada da paisagem por conta da velocidade e a tensão ao volante é bem maior, já que os carros tendem a ir em velocidade bem mais alta e as ultrapassagens não param, e os ombros acabam bem mais cansados de manter um carro pequeno nos eixos a essa velocidade. Além disso têm os pedágios, que variam de $2,00 a $40,00 dependendo do trecho e do país. Na França pegamos dois trechos longos, entre Annecy e Lion por cerca de $19,00 euros e depois um de Lion a Brive la Gaillard, por cerca de $16,00 euros, o que encarece bastante a viagem.

Nas pequenas, além de evitar o pedágio, eu consigo ver melhor a paisagem, encostar o carro para apreciar uma paisagem, e as saídas para pequenas cidades encantadoras, para comer algo ou usar o banheiro se tornam muito mais fáceis e acessíveis. E o estress com a direção diminui muito. O tempo é mais longo, mas caso você não tenha pressa, eu acho que vale a pena.

Passados esses temas do tipo de via e do pedágio, outro tópico é a gasolina. Aqui na Europa é possível comprar uma variedade de carros pequenos à diesel, mas, infelizmente, acabamos comprando nosso Ka a gasolina. O diesel é subsidiado e bem mais barato. O preço de todos, diesel ou gasolina, tende a variar de um posto para outro (convém reparar na marca do posto e traçar um paralelo, pois de um país para outro a marca cara pode ficar barata e vice-versa), e o preço por país. Aqui na Catalunha o preço da gasolina não passa de $1,20/L e às vezes conseguimos por menos $1,10, $1,15, com facilidade. Na França encontramos em torno de $1,30, às vezes $1,40 e na Itália era quase impossível conseguir por menos de $1,50/L, e isso encareceu bastante a road trip por lá. Outro item relevante é a região dentro de cada país. Locais mais ermos e montanhosos, especialmente próximos de estações de ski, ou lugares excessivamente turísticos, que atraem um público mais disposto a gastar, a gasolina tende a ficar mais cara.

Para fazer road trips é essencial ter dinheiro em notas e moedas, o famoso cash, pois muitos dos pedágios e dos postos só aceitam essa forma de pagamento. Muitos até dizem aceitar cartão, mas na hora do vamos ver não é bem assim, a máquina de cartão às vezes está fora do ar, ou o cartão simplesmente não passa, então pra não ficar na mão, tenha em espécie. Os pedágios e os postos costumam aceitar todas as moedas, menos as de 1 e 2 centavos (que pelo peso muito leve não são computadas pelas máquinas) e não dão troco para notas acima de $50,00 euros. De preferencia, tenha moedas de $0,10, $0,20, $0,50, $1,00 e $2,00 e notas de $5,00, $10,00 e $20,00. Assim você estará seguro!

Pros brasileiros acostumados a frentistas, o ato de colocar gasolina pode ser um desafio. Te garanto que colocar a gasolina no tanque é fácil, é só apertar o gatilho da bomba e dar um tranco se ele parar antes de encher. O difícil é pagar! Cada posto é de um jeito: pós-pago, pré-pago, só cartão, só espécie, na bomba, no caixa, varia muito. Estude com calma suas opções antes de tentar por o combustível. Alguns postos dão mais de uma opção, inclusive alguns da Itália tem bombas com frentista e outras self-service, e as com frentista possuem preço mais alto.

Outro detalhe são as cores das placas. Geralmente placas de fundo branco e letras pretas sinalizam pequenas cidades. Placas de fundo azul ou verde com letras brancas indicam as grandes cidades e as autopistas. Mas a sinalização engana. Na Espanha e na França as placas verdes tendem a ser não-pedagiadas e as azuis em geral possuem pedágio, na Itália é o contrário, verdes com pedágio e azuis não. Isso confunde bastante. Também, dependendo do trecho que você pegue da autopista, pode escapar do pedágio. Um bom truque e fazer o mapa no google maps selecionando a alternativa: evitar pedágios. Eu sempre prefiro salvar o mapa offline e tirar umas fotos dele, pois nem sempre na estrada há sinal. Não sei se confunde mais ou se ajuda, mas na Wikipedia é possível achar uma tabela comparativa dos sinais de trânsito europeus em diversos países. No site Auto Europe também é possível encontrar muita informação útil.

Para poder dirigir na União Européia, sendo brasileiro, basta que você tenha uma carteira de motorista brasileira válida, e solicite sua habilitação internacional, que é solicitada junto ao Detran da mesma cidade de origem da sua habilitação, mediante pagamento de taxa, mas sem necessidade de exame ou prova. A validade da habilitação internacional é a mesma da nacional.

Por fim, o tópico estacionamento é relevante! Existem claro, os parkings pagos, com catraca, iguaizinhos os brasileiros, e o preço varia muito de local pra local, dependendo da concorrência. O que confunde mesmo são as vagas de rua, geralmente vagas de baliza, espalhadas pelas cidades. Na maioria das vezes elas são colour-coded: as brancas tendem a ser livres, as verdes e azuis pagas. Mas não é tão simples. Algumas áreas são reservadas para moradores da região que possuem uma permissão especial colada no vidro, outras tem horários restritos para não moradores. Algumas apesar de serem pagas, se tornam gratuitas em alguns dias e horários. Para descobrir só lendo as placas e a máquina de pagamento de cada estacionamento. Geralmente a placa e a máquina estão escritas apenas na língua local e geralmente aceitam apenas moedas de 0,10 a 2,00. Após desvendar os mistérios e conseguir um tíquete pago, coloque-o no painel do carro, visível pelo vidro e dê seu passeio, mas de olho no relógio! O valor é pago por hora, adiantado, e se sua hora acabar podem rebocar seu carro.

Outro detalhe é atentar para as placas temporárias, colocadas sempre que há algum evento especial, como corridas de rua, festas, etc, que podem tornar uma parte da rua interditada para estacionamento por um período específico. Leia com atenção, para não ter o carro rebocado.

Uma boa alternativa, pra quem gosta de andar e tem tempo livre, é procurar o parking de motorhomes das cidades. As cidades europeias, das grandes às pequenas, tendem a ter um parking não pago, fora da cidade, específico para motorhomes e campervans, equipados com tomadas e locais para troca de água desses veículos. Lá é possível estacionar qualquer carro, desde que haja vagas, sem pagar. O único detalhe é que são sempre bem afastados do centro, e se a cidade for grande a caminhada será longa. Sempre existe a opção de pegar um transporte público até o centro nesses casos, o que geralmente sai mais barato do que o estacionamento no centro, além de dar a tranquilidade de passear sem vigiar o relógio.

Farei outro post dessa série, sobre outras dicas práticas para road trips, como alimentação, uso de banheiros, e como lidar com o calor ou frio extremos. Mas por enquanto, o básico para pegar a estrada está aqui! E claro, sempre faça uma direção defensiva!!!! Existem loucos dirigindo por aí em todo canto! Segurança sempre!