SP by JuReMa – Comida

Estava esses dias conversando com uma grande amiga que está pensando na mudança para São Paulo. Infelizmente já não moro mais lá e teria sido muito lindo compartilhar mais uma cidade com ela, mas fica pra próxima ou pra outro momento. A questão é que enquanto falávamos e ela me pedia dicas, fui passando sites, referências e no fim me vi com um bom material em mãos, então resolvi escrever e compartilhar aqui com vocês as minhas dicas de São Paulo.

É importante ressaltar que meus quase dois anos em São Paulo foram anos de estudante, fazendo mestrado, e com isso saídas e gastos não eram minha praia. Também não sou nem um pouco baladeira, então se você procura dicas da night life não vai encontrar aqui. Mas por isso mesmo decidi chamar esse post de SP by JuReMa! Te convido a ver São Paulo pelos meus olhos, com um enfoque em parques, passeios sem custo, andanças à pé, alimentação vegetariana e tudo o que eu gosto! Essa é a parte 1 – Comida, da série, SP by JuReMa. Aos poucos vou incluindo outras sobre cultura, parques, viagens próximas, e outros temas, mas a comida merece um post próprio!

Para quem não é da cidade o primeiro passo é saber que SP está dividida em zonas: zona sul, zona norte, zona leste, zona oeste, e o centro. Cada qual tem sua peculiaridade, suas características intrínsecas, e mais do que isso, seus bairros, e se tem um povo bairrista é o paulistano. Muitas vezes as características de cada bairro são mais importantes do que a da região (zona). Por exemplo, saiba que todos os restaurantes italianos tradicionais estão no Bexiga e que vale a pena rodar lá a pé e encontrar uma cantina pra pedir uma massa. Ou fazer compra de roupas com preço de custo no Brás. Mas vamos por tópicos.

Começando pelo que importa, né: a comida! Somos vegetarianos, então não poder te ajudar se você busca o melhor steak da cidade. Minhas dicas são de feiras, orgânicos, veggies e vegans. Os restaurantes da minha lista não são necessariamente vegetarianos, mas possuem opções, no cardápio ou sob pedido.

Feiras e alimentação em casa

Minha primeira dica é: coma em casa! Eu sempre prefiro cozinhar pro dia-a-dia. Sai mais barato, mais saudável, estimula a criatividade e a responsabilidade sobre nossa própria alimentação. São Paulo é uma cidade de feiras, procure no bairro em que mora/está hospedado. Certamente achará alguma. Nem sempre são orgânicas certificadas, mas são geralmente de pequenos produtores, e a comida é mais bonita, fresca e barata do que no mercado. Alguns sites entregam em casa, e delivery em São Paulo é uma excelente opção considerando o tempo e custo de deslocamento numa cidade tão grande e tão cheia. Claro que algumas, como as Feiras do Ibirapuera e Água Branca, por serem em parques valem também o passeio.

Recomendo os sites abaixo para conhecer melhor:

Site com as feiras lives listadas pela prefeitura de SP –  http://www9.prefeitura.sp.gov.br/secretarias/sdte/pesquisa/feiras/

Feira de orgânicos do Ibirapuera – http://parqueibirapuera.org/areas-externas-do-parque-ibirapuera/feira-de-produtos-organicos-no-parque-ibirapuera/

Site do AAO, onde você encontra uma listagem de onde encontrar orgânicos na cidade – http://aao.org.br/aao/onde-encontrar-organicos.php

Instituo Chão (vale a pena conhecer o trabalho) – http://www.institutochao.org/

Santo Orgânico – https://www.facebook.com/santo.organico

O Mercado Municipal (Mercadão) é mais turístico. Você encontra frutas e vegetais maravilhosos e de todos os cantos do mundo, com preços mais caros. Vale a pena ir para conhecer, o prédio, a arquitetura e comer algo, ou se quiser algum ingrediente muito específico. Endereço: da, R. Cantareira, 306 – Centro, São Paulo – State of São Paulo, 01103-200, Brasil

A Zona Cerealista é talvez minha maior paixão em São Paulo! Demorei para entender que não era uma loja, mas sim uma região. Próxima ao Mercado Municipal, muitas das lojas ficam ao longo da Rua Santa Rosa. O local é constituído basicamente de galpões que recebem os grãos de produção nacional e importados antes de redistribuí-los para mercados menores, restaurantes, etc. Algumas lojas já estão mais adaptadas para as compras no varejo e são mais limpas, organizadas, algumas inclusive com site para compra com entrega em casa. Porém são nos galpões mais simples e escondidos que encontramos os melhores preços. Tudo depende do quanto você quer se aventurar! Chia, linhaça, aveia, amaranto, todos os tipos de castanhas, temperos, arroz, feijões, favas, frutas secas, azeite, óleo e leite de coco, manteiga de amendoim, sucos de uva e maça integrais, tudo isso você encontra de excelente qualidade e com preços bem abaixo dos supermercados e lojas tradicionais.

Restaurantes

Rinconcito Peruano – esse lugar vale tanto pela comida, que é excelente e com preços muito bons, quanto pela história. Fundado por um imigrante, começou pequeno numa sobreloja do centro, na cracolândia e foi expandindo, atraindo público de todos os bairros e classes sociais. De uma simpatia única, os funcionários são quase todos peruanos. Não deixe de provar a Chicha Morada, um refresco delicioso (parece groselha) feito de milho roxo peruano. Existem duas opções vegetarianas, o espaguete vegetariano e a opção de Chaufa sem carne. O forte do lugar são os frutos do mar.  Atualmente em três endereços: Av. Viêira de Carvalho, 86 (11) 3221-5621 / Rua Serra de Japi, 696 (11) 2539-2033 / R. Aurora, 451 (11) 3361-2400.

Biyou’Z  –  é um restaurante camaronês, pequenininho e delicioso. As porções são fartas e existem duas opções vegetarianas além de muitas com carnes. A cozinheira, Melanito Biyouha cozinhou para a seleção de camarões quando vieram para a Copa em 2014 e tem fotos dela com o Eto’o nas paredes.  Fica na Alameda Barão de Limeira, 19 – Campo Eliseu, São Paulo – SP, 01202-001, Brasil.
Barão Natural – talvez meu segundo lugar preferido em SP! Restaurante 100% vegano e comprometido com a causa. No horário do almoço tem um buffet self-service variado, saudável e SUPER gostoso! Coma à vontade por R$12,00 e com + R$3,00 tenha mate caseiro gelado à vontade também! E a noite pizzas veganas, inclusive delivery. Outra maravilha de lá é o Sorvete da Sereia, vegano, sem lactose e com os sabores mais incríveis, sendo meu preferido o Hare-Hare, de framboesa, chá de hibisco e rosas! ❤ Site: http://www.baraonatural.com.br/ e em quatro endereços: B1 (o 1º e principal,d e onde deriva seu nome, almoço e noite c/pizzas): Alameda Barão de Limeira, 1090 – Campos Elíseos, São Paulo – SP, 01202-002, Brasil / B2 (baraozinho – só almoço): Rua João Moura, 861 – Pinheiros, São Paulo – SP, (11) 3384-9766 / B3 (Mateus Grou – só almoço): Rua Mateus Grou, 72 – Pinheiros (11)  3938-4590 / B4 (Tatuapé – almoço e noite c/ pizzas): Rua Coelho Lisboa, 355 – Tatuapé (11) 3368-3966.
Maoz Vegetariano – restaurante de falafel, com uma pegada fast food saudável. Gostoso e barato. Bom pros dias de comer bastante, e se sujar! Recomendo o combo com as batatas rústicas!   R. Augusta, 1523 – Consolação, São Paulo – SP, 01305-100, Brasil (11) 3288-9580. 
Gopala Hari – restaurante indiano famoso na cidade. Só abre para almoço e geralmente tem uma fila grande. Não vá se estiver com pressa. Apesar disso, vale a pena. É gostoso e inclui a possibilidade de  uma experiência cultural, ao comer sentado em almofadas. Aos sábados estavam com uma opção de hamburgers vegetarianos servidos às 17h, não sei se mantiveram. Rua Antônio Carlos 429 – Consolação – São Paulo – SP (entre a Rua Augusta e a Rua Haddock Lobo), Telefone: (11) 3289-3446 Telefones do Restaurante: (11) 3283-1292 e (11) 3262-5591. http://www.gopalahari.com.br/index.php.
Prime Dog – restaurante junk food total! nada chique, tipo butecão. A vantagem é que o cardápio está disponível convencional com carnes, lacto-ovo vegetariano e vegano, ou seja, tem pra todo mundo. O que mais sai são os veganos, afinal junk food vegano não tem em todo canto. Os lanches são grandes, vá com fome e vontade de enfiar o pé na jaca e mandar qualquer dieta pra longe! https://www.facebook.com/Primedoglanchonete/ Existem algumas unidades, Ana Rosa, Faria Lima, convém procurar a mais próxima.
Estadão Bar & Lanches – http://www.estadaolanches.com.br/ Aqui são poucas as opções para vegetarianos, mas é um lugar bem tradicional, vale a pena conhecer. E tem o famosíssimo sanduíche de pernil e os costumeiros de mortadela. A vantagem localizaçaõ bem no centro e horário 24h – 7 dias! Endereço:Viaduto Nove de Julho, 193 Centro – São Paulo – SP CEP: 01050-060. Telefone: (11) 3257-7121/ (11) 3256-3700.

Rosa do Líbano – Parece um butequinho pé sujo daqueles! Confia! A comida é maravilhosa e os donos são super gentis!!! A esfilha aberta com zatar deles é de comer rezando. Também fica bem no centro e é melhor ir conhecer de dia, especialmente se você não for habituado com o centro. Av. Rio Branco, 443 – Campos Elíseos, São Paulo – SP, 01205-001, Brasil, (11) 3224-8868.

Bexiga – tudo! O melhor pra mim do Bexiga é ir a pé, lembrando que as ruas são ladeiras, e ir fuçando, vendo cardápios e variando a cada vez uma cantina nova. Todas são tradicionais e todas demandam o título de primeira, original e/ou mais tradicional cantina italiana de São Paulo. A briga é grande e nós é que saímos ganhando. Quanto mais perto da Paulista mais chiques e caras são as Cantinas. O baixo Bexiga é mais escondido, mas vai ficando mais barato e gostoso como sempre. Fomos uma vez na Doceria Moscatel http://www.moscatel.com.br/ e comemos uns quiches muito gostosos e doces ótimos – Rua 13 de maio, 655 (11) 3853.0954. Mas um dos meus lugares preferidos lá é um calzone super escondido numa cantina minúscula, onde você também acha que não vai ter nada de bom, e tem uns calzones maravilhosos e baratos, nem consigo lembrar o nome, mas fica na Rua Santo Antonio, 1106 ou ao lado! rsrsrs, se quiser se arriscar, recomendo.

Apfel – é um restaurante vegetariano muito gostoso e muito aconchegante, com um estilo mimoso. O preço é fixo e está entre R$28,00 e R$36,00, sendo que o preço varia nas duas localidades e no dia da semana, comendo à vontade. Eles oferecem água e água aromatizada livre, outras bebidas são cobradas à parte. O menu é variado, com muitas opções de saladas e muitas quentes. Além das sobremesas. Tudo muito saudável! Sempre como lá mais do que deveria, mas vale a pena! http://www.apfel.com.br/2015/ Com dois endereços, um no Centro o outro nos Jardins. Casa Centro: Rua Dom José de Barros, 99 (11) 3256-7909 / Casa Jardins: Rua Bela Cintra, 1343 ligue (11) 3062-3727.

Vegacy – restaurante vegano, ficou conhecido como O Vegano da Augusta, mas agora mudou de endereço e está na Alameda Jaú, quase esquina com a Augusta. É self-service, preço por kg, no almoço, excelente qualidade e variedade. A noite oferecem lanches, hamburger, hot-dog, pizza todos veganos, além de cervejas artesanais. Gosto muito, especialmente pro dia-a-dia. Os que são preço fixo eu tendo a comer demais, pra “fazer valer”, então os por peso me ajudam nesse quesito. Alameda Jaú, 1581 – Jardim Paulista, São Paulo – SP, 01420-002, Brasil (11) 3062-9989. 

Tea Connection – essa é uma pedida mais mainstream, mas como a louca do chá, não poderia deixar de fora! O preço é mais alto do que as demais dessa lista, mas o fato de terem mil opções de bebidas a base de chá e muitas opções vegetarianas no cardápio me ganha! Vale a pena naquele dia que você quer uma saída mais arrumadinha pra curtir uma boa conversa em boa companhia num lugar bonito e sossegado. Alameda Lorena, 1271 – Jardim Paulista, São Paulo – SP, 01424-001, Brasil (11) 3063-4018.

Mate com açaí – isso não é um restaurante, é uma instituição! Não conhecia antes de ir pra SP e amei! Tem várias opções de local pra comprar, especialmente na região do Centro e na Paulista. Mate com Sabor, Casa do Mate, Sabor Mate, Rei do Mate, etc, no centro, na Augusta, na Paulista, são muitas as opções. Basicamente, pra quem como eu nunca tinha ouvido falar, eles batem mate gelado com açaí. Eu sei, não parece muito convidativo de início, mas é uma delícia. Especialmente no verão. Muitos desses locais oferecem também salgados, e vários deles salgados veganos! Experimente, mesmo que você não seja vegano, são deliciosos! O bauruzinho com vegarella é o melhor, com molho de tahine e pimenta! Se acabe! Se quiser um endereço vá ao Sabor Mate, Galeria Le Village – R. Augusta, 1492 (11) 3266-7822 ou à Tradicional Casa do Mate (o melhor bauruzinho vegano!) na Av. São João, 544 – Centro, São Paulo – SP, Brasil (11) 3333-2101. 

Aí claro, tem outros duzentos mil restaurantes, mas você vai descobrindo aos poucos o que gosta na cidade com facilidade. Os mais famosos, Etaly, Terraço Itália, Família Mancini podem ser encontrados em qualquer guia turístico, além das redes como Ben&Jerry’s, Starbucks, etc.  Aqui quis dar meu olhar, SP by JuReMa! Até o próximo!

Horta

Aquela preguiça de domingo pairando no ar. Acordei com ele vindo do banho, aquele cheiro bom de manhã no ar. Abri a janela e o sol me deu bom dia. Enquanto ia para a cozinha, ele soltou as ratinhas, Marceline e Jujuba, que percorriam a sala, uma em saltos rápidos, a outra com sua calma exploradora, cheirando os cantinhos, comendo banana na nossa mão. Depois de fazer um chá e uma vitamina, voltei para me sentar ao computador, rotina infalível, e me dedicar à leitura de alguns textos referentes ao mestrado. Não, pós-graduando não tem domingo, nem segunda, nem quinta. Todo dia é dia. O bom é que dá pra conciliar com outras atividades também. Sentei ao computador, li os e-mails do dia. A vitamina na boca, e eis que ouço um “Ju” quase baixo, como quem fala com bebês, “vem ver” e fui.

rucula

Na horta os primeiros brotos apareciam entre as pedrinhas. Na calha de cima as primeiras a dar bom dia foram as rúculas, na calha de baixo um tímido broto de rabanete se desenrolando lentamente de dentro pra fora. Me senti uma mãe orgulhosa. Nossa horta brotou. Tive que documentar o momento desses nascimentos, tirando fotos. Depois voltei para o computador, para a vitamina e o chá e todas as outras coisas do meu dia-a-dia, mas fiquei pensando, eu podia fazer algo diferente. E aqui está! Apesar do tom narrativo que me acompanha nesse blog, esse é um post bem diferente, porque resolvi fazer um DIY (Do It Yourself) ou FVM (Faça Você Mesmo).

Desde que vim para São Paulo que nosso sonho conjunto é ter uma horta em casa. Mas sabe como é, apartamento pequeno, pouco sol, pouca luz, vida urbana, prédios altos, ruas estreitas. Em janeiro, visando algumas mudanças na casa, reposicionamos móveis, abrimos espaço na sala e aí a ideia da horta voltou. Voltou, e voltou forte, de verdade, não mais como uma ideia que existe na cabeça, mas com ares de planejamento real. Devorei o Pinterest (sim, tô lá também, quem quiser é só seguir!) coletando mil referencias de horta urbana e horta vertical. Li alguns blogs, ficamos sonhando acordados, pensando em viabilidade, preço, disponibilidade de materiais, luz, e disposição dentro da casa. Virei a louca dos pallets, lendo tudo que existia sobre eles, mas percebi que no nosso diminuto espaço, próximo da janela, não daria para fazer uma super estante vertical.

Numa bela quinta-feira, dia de feira, literalmente, aqui na rua em frente, estava na janela sonhando com a horta quando vi o pessoal desmontar as barracas, ir embora e deixar uns caixotes velhos para trás. Desci correndo de chinelos e fiquei revirando o lixo da feira, restos de comida no chão, procurando os caixotes mais inteiros. Confirmei com um senhor do bar em frente que tudo aquilo ia pro lixo, e após receber um olhar de “olha a louca” e um “sim” monossilábico, me empenhei ainda mais e subi com uns cinco ou seis caixotes. A madeira deles era bem precária, leve demais, quebradiça demais, cheia de farpas, ou seja, um lixo.

Ficamos olhando aquele monte de lixo jogado no meio da sala e confesso que minha vontade inicial foi fazer uma fogueira. Mas os pensamentos foram fluindo, e decidimos que embora aquela madeira não servisse para fazer nenhum apoio real, poderia ser nossa decoração de fundo. Nos blogs e pinterests que li, comentavam que a parede atrás da horta vertical costuma ser pintada ou revestida para que a possível sujeira resultante da terra, e de se mexer nela, não destaque na parede. Então resolvemos que aquele seria nosso revestimento. Pensei em usar tinta-lousa, daquelas que dá pra escrever com giz, mas a parede que usamos é uma parede longa, e ficaria muito estranho pintar só um pedaço, sem termos nenhum tipo de divisória, coluna, móvel nem nada separando.

Fui à casa de tintas da outra esquina (vantagens de se morar no centro de São Paulo, tem feira, loja de construção, loja de tinta, bar, restaurante, shopping, costureira, loja de produtos naturais, hotel, supermercados e banca de revista, tudo no meu quarteirão), e pesquisei sobre verniz, tintas e possibilidades. Claro que antes de sair foram mais umas 2h lendo blogs, vendo vídeos e coletando printerests de pintura e tratamento em madeira. Decidi pelo verniz com cor. Compre em 3 cores, que pelo catálogo deveriam ser um vermelho amarronzado (framboesa radical- check), um amarelo forte (folha de cobre – check) e um azul profundo (artesão – fail) que ficou verde na real, mas gostei no fim das contas. Cada lata de verniz já colorido custou cerca de R$25,00 e a loja preparou na hora, esperei cerca de 15 minutos.

pintura tábuas

Foi uma tarde pintando tudo, sem lixar, mantemos o ar “rústico” e quando tentamos lixar as tábuas se partiam. No dia seguinte a segunda demão. Todos sugeriam 3 demãos, mas fiquei contente com duas. No terceiro dia pregamos as tábuas com pregos comuns na parede. “Pregamos”, na verdade significa que eu segurei os pregos e apoiei a tábua na parede enquanto ele pregava. Ainda rolou a ida a loja de materiais de construção, e compramos os pregos, parafusos bem longos, uma calha de alumínio de 2m, que pedimos para cortar na metade (1m cada parte) na própria loja. Quatro tampas de calha, um tubo de veda-calha, e quatro braçadeiras próprias para calha. Todo esse material foi cerca de R$40,00.

Fomos também na loja de jardinagem, e compramos um saco de 5kg de terra preparada e outro de 4kg de pedra decorativa própria para jardins e vasos. Cerca de R$5,00 cada. Ah, e compramos uma pazinha de jardinagem do tipo estreita também.

tábuas

Aí passaram-se vários dias, mas contando com a ajuda de um valoroso amigo, os quatro furos na parede foram feitos com a furadeira dele. Esse foi o dia de comprar nylon de pesca, para reforçar a sustentação. Cerca de R$5,00. Nesse ponto entra a vida real, os seminários e workshops, o trabalho, as consultas, as aulas e um bom tempo passou. O carnaval veio e foi. Os fins de semana vieram e foram. E eis que subitamente semana passada a energia e o tempo voltaram às nossas vidas e decidimos terminar.

O processo começou com a colagem das tampas nas pontas das calhas, usando o veda-calhas. O tubo é daqueles que precisa ter aplicador, e nós não tínhamos. Num arroubo de maker, a tentativa consistiu em empurrar com o cabo do martelo o fundo do tubo. Não deu certo. Quebrou o tubo, vazou veda-calha viscoso pra todo lado (sorte que tínhamos jornal velho forrando o chão), e foi uma bagunça. Mas com uma dose bem generosa de veda-calha espalhado em cada ponta e cerca de 15 a 20 min de compressão nas pontas e a coisa ficou. Deixamos secar de um dia para o outro e no seguinte o veda-calha estava seco e firme e quando testamos com bastante agua dentro, nada vazou. E ainda conseguimos salvar o martelo, com muita paciência e muito Thinner.

O passo seguinte foi fixar as braçadeiras, de um lado com os parafusos, e do outro com o nylon, fazendo “triângulos”, até o próprio parafuso, só para garantir a estabilidade. Aí encaixamos as calhas, e colocamos em cada: uma camada de pedra, uma terra e outra de pedra. Fizemos furos com os dedos e colocamos as sementes. Nessa primeira tentativa fizemos metade de cada calha com um tipo de semente, alface e rúcula em uma e rabanete e mini cebola em outra. Aguamos bem pouco. No dia seguinte coloquei mais um fio de água em cada calha. E eis que no terceiro dia somos brindados com essas imagens cheias de ternura, num belo domingo de manhã, com os brotos de rúcula e de rabanete começando a nascer. Ainda não sei se vingarão. Mas espero que sim! Já estou bem animada, e o domingo começou muito bem. Agora já posso voltar para os textos do mestrado, para os afazeres do dia. E meus brotos continuarão a crescer.

horta

rabanete

Uma cesta de orgânicos

Hoje eu acordei com a campainha antes das sete da manhã. Última semana de férias. Normal ainda estar na cama antes das sete. Levantei zonza. Dormi tarde, vendo filme. Acordei durante a noite, faz calor. É verão. O verão de 2015. O primeiro verão do meu mundo novo. Não tem água na torneira para lavar o rosto. A higiene mínima matinal é de caneca, bacia e balde de água armazenado embaixo da pia. Eu me lembro dos casarões antigos que já visitei e dos conjuntos de louça trabalhada, bacia, jarra e caneca, apoiados sobre uma cômoda, toucador ou penteadeira. Talvez os tempos sejam mesmo cíclicos e tenhamos alcançado o esgotamento que nos fará retornar ao passado no futuro. Meu presente não é tão romântico, e embora a pia ainda seja a encanada, pregada na parede e de louça, a caneca e o balde são plásticos. Talvez esse seja o futuro com ares de passado.

Recebo na porta uma caixa de papelão contendo vários alimentos orgânicos. Selo estampado na lateral. Nota fiscal impressa no topo. Confiro, os dados estão certos. Foi o pedido que fiz pela internet. Futuro e passado batem à porta as sete da manhã. Alimentos de quintal. Pedido feito pela internet. No rodapé da nota fiscal é possível ler a mensagem que diz que o pagamento pode ser feito em dinheiro, cheque ou por depósito/transferência eletrônica para a conta especificada. Passado e futuro batem à porta. Guardo os de refrigeração imediata e volto a dormir. Ainda estou de férias.

Estou de férias? Acordo uma hora e meia depois remoendo a pergunta. Sim e não. Meu passado recente e meu futuro de uma semana adiante chegam a mente. Troquei de emprego. Estou de férias do último. Mas começo na próxima segunda em um novo. Férias? Eu tive férias nessa passagem de 2014 para 2015? Em dois meses tive até agora cinco dias espaçados para não fazer nada, ou fazer uma pequena viagem à praia. Descanso não tive. Em menos de dois meses empacotei tudo o que tenho. Resolvi pendências há muito estagnadas. Pendências bancárias, pendências burocráticas, pendências cotidianas, pendências emocionais. Entreguei o aluguel de um apartamento, meu primeiro refúgio só meu. Pedi demissão. Me desliguei de muitos vínculos. E fui. E vim.

Já estou aqui. Recebendo uma cesta de orgânicos que bate à porta às sete da manhã de uma terça-feira qualquer. Uma terça-feira qualquer? Não. Hoje não é um dia qualquer. Todo os dias desses últimos dois meses foram únicos e inigualáveis. Meu presente tão presente. Presente pela intensidade da sua vivência em cada segundo. Presente pela necessidade que me fez viver esses dias pensando neles e só neles. Presente por conterem um futuro incerto. Presente por conterem um passado tão próximo. Presente por serem tão únicos. Presente por serem minha escolha. Meu presente para mim mesma. Presente por cada um que tem feito parte deles. Presente porque são o meu agora e isso é todo o meu mundo.

Meu passado recente (recente?) dos últimos dez anos incluem seis mudanças de endereço, a perda dos meus pais e dos meus avós maternos, que me criaram. Incluem a mudança para lugares cada vez menores e cada vez mais afastados da casa onde cresci. Uma parte dessas mudanças ocorreu por decisões maiores que eu, e só pude acatar. Nunca me incomodei. Me cansei. Muito. Trabalhei loucamente. Estudei mais horas do que cabem em um dia. Vivi semanas de muito mais do que sete dias, e dias de muito mais do que vinte e quatro horas. Vivi dez anos que valeram por uma vida inteira.

Outras mudanças foram voluntárias. Viagens, lugares só meus. Lugares compartilhados. Mudanças que escolhi. Todas possuem algo em comum. Todas foram necessárias. A necessidade é algo muito curioso. Normalmente vemos a necessidade como algo negativo. Como falta de opção, de alternativa. Uma força maior nos obrigando a algo. Esquecemos que sempre há uma escolha. Às vezes essa escolha nem é pensada, pois a alternativa está além das nossas capacidades físicas, financeiras, morais, ou algo assim. Mas sempre há uma alternativa. Por isso nem toda mudança voluntária é desnecessária. Muito pelo contrário. O caminho que fiz até aqui foi absolutamente necessário.

Precisei viver todas as adversidades que passei. E precisei viver todas as superações também. E preciso viver os sonhos. Preciso viver as vontades. Preciso viver as curiosidades. E esse caminho me trouxe à uma cesta de orgânicos às sete da manhã dessa terça-feira. Ainda estou pseudo-acampada. Mais da metade das minhas coisas ainda estão empacotadas, encaixotadas, lacradas. Nos últimos dois meses vivi dias intensos. Exame demissional, exame admissional. Entrevistas, treinamentos. Um novo caminho de metrô para aprender. Um trajeto de ônibus fácil e bem sucedido adicionado à lista de caminhos conhecidos e traçados. Um descontentamento com o Google Maps num ônibus que me levou para o meio do nada. A alegria do Santo Waze.

Mais de novecentos quilômetros de estrada. Falta de água. Racionamento. Políticos que dão outros nomes ao fato de que a água é cortada ao longo do dia. Ao fato de que a pressão que vem da rua não é suficiente para que o fluxo de água acione a resistência do pequeno chuveiro elétrico. Banho frio. Higiene básica feita de caneca e balde. É esse o futuro? É esse o passado? É verão. Eu não ligaria o chuveiro mesmo que houvesse alternativa. O calor incomoda. O banho bom é frio. E o inverno? E o futuro? Lavo as folhas orgânicas na bacia de água que peguei do balde, e cozinho o almoço. Nada de água corrente. Economia e silêncio, no movimento que lembra passado e traz gosto de futuro. Assim como minha cesta de orgânicos, que pedi pela internet.

Mais um apartamento para ver à tarde. Vou a pé. É perto. Se conseguir fechar a documentação, poderei ir para o novo trabalho a pé todos os dias. Uso o aplicativo do iphone para scanear os documentos necessários e enviar para o corretor e tentar garantir o apartamento.  Recorro ao Google Maps e ao Waze na volta para casa. Lavo a louça e a roupa enquanto tem água na torneira. Mas já sei que na hora de escovar os dentes antes de dormir, será com caneca e balde. Jantarei uma sopa. Fiz com os orgânicos. Receita da vó. Um filme no netflix antes de me sentar para trabalhar um pouco no notebook. A roupa seca no varal, e a umidade que evapora, ao lado do ventilador, amenizam o calor do verão. Meu futuro tem ares de passado e assim mesmo é desconhecido e incerto. Às novidades relembram meus gostos mais antigos e pessoais de infância e adolescência.

Sou tão eu. Me sinto feliz nesse novo mundo, que tem ares de passado. Familiaridade no desconhecido. Saudades do que ainda não vivi. Jamais Vú todos os dias. Banho de caneca e orgânicos pedidos pela internet. Ainda estou de férias e a cabeça tem tempo livre. Tempo para divagar sobre tudo o que já estudei. Meu gosto tão predileto por história, política e filosofia. Sim, o futuro tem gosto de passado. Assim como a sopa da vovó, feita com orgânicos pedidos pela internet e lavados na caneca. Meu futuro inclui muita leitura, muito estudo, assim como minha vida inteira. Meus jogos, meus gostos, minha sopa da vovó. Me repito, repito meus ancestrais. E tudo é novo. Tudo é futuro nesse meu presente tão bom, tão novo. O presente é um futuro com gosto de passado. O presente é tudo que trouxe do passado para fazer um futuro novo e único. Deja Vú. Jamais Vú.

Uma cidade nova. Uma casa nova. Um emprego novo. Estudos novos. Namorado novo. Corte de cabelo novo. Ano novo. Vida nova. E uma cesta de orgânicos lavada sem água encanada. Num verão ardente. Uma receita antiga. A música que me acompanha enquanto cozinho vem do itunes. Salvo meu texto na cloud. E escrevo para viver. Para me tornar Sofia. Para virar história em palavras, como a humanidade sempre fez. O futuro tem gosto de passado renovado. O mundo é redondo e gira. E o meu fez uma volta de 360, para uma vida nova. A vida que eu sempre quis e não sabia. Um sonho que nunca sonhei e se realiza assim mesmo. Meu presente.