Pic de Salória

Sei que durante todo o mês de outubro e agora nesse começo de novembro estivemos sem posts do André na categoria Viagens, e para explicar queria dizer que em outubro recebemos a família do André aqui e também estamos organizando toda nossa mudança da Espanha para Portugal, que começará agora dia 15/11, o que o sobrecarregou, além de outros afazeres. Por hora vou deixar vocês com esse post, sobre o Pic de Salória, que fizemos em 28/09/17 e no próximo post vou falar sobre uma travessia longa de 3 dias, que acabaram sendo 2, na qual atravessamos vários Vales e Picos!

Esse mês, portanto, teremos esses 2 posts sobre trilhas, além dos outros sobre Andorra & Val D’Aran, que foi postado pelo BPM, e repliquei aqui na terça-feira, e o outro com Dicas de Roupas.

Em dezembro estaremos nos acomodando em Portugal e duvido que sobre tempo para escrever muito, mas assim que possível voltaremos a contar nossas aventuras

Bom chega de lenga-lenga, vamos à trilha. O Pic de Salória é o mais alto da comarca de Alt Urgell, onde fica a cidade na qual moramos, La Seu D’Urgell. O Pico chega a 2789m. Mas a trilha que fizemos possui um desnível de cerca de 600m, então foi mais tranquilo do que parece!

A parte mais assustadora foi a estrada que decidimos pegar para chegar lá. Não queríamos ir de carro por dentro de Andorra, o que seria o caminho mais curto, entre La Seu e Os de Cívis, e por isso acatei uma sugestão bem duvidosa do google maps de ir por uma estrada de terra, circundando a montanha. No início passamos por umas pequenas vilas bonitinhas, mas depois que entramos na estrada de terra ela começou a ficar difícil e diversas vezes o André me questionou o porque da escolha dessa trilha em claro desuso.  Eu também me questionei, mas mantive a banca porque alguém tinha que parecer confiante, né?!

Para resumir passamos por dentro de bosques, atravessamos dois rios com o carro, o que subiu muita fumaça e assustou o Picot, e pegamos um frio que não esperávamos para final de setembro. No fim deu tudo certo, graças a habilidade do André em estradas de terra, que é grande, e dessa vez foi testada como nunca, mas após algumas derrapadas estávamos no ponto esperado. Paramos o carro e começamos nossa subida bem íngreme morro acima.

A subida não era muito longa, mas extremamente verticalizada. Chegando à crista da cadeia montanhosa andamos por sobre a trilha na parte mais emocionante, talvez uma das mais emocionantes de todas as trilhas que fizemos, pois a crista era bem estreita e os penhascos bem íngremes de ambos os lados. Tenho vídeos desse trecho da trilha na fã page do facebook, em quatro partes (1/4, 2/4, 3/4 e 4/4), ou no instagram (1/4, 2/4, 3/4 e 4/4) e vocês podem acessar e ver lá.

Achávamos que já tínhamos subido tudo, mas que nada. Foi uma boa subida já na crista até atingirmos o Pico. Tivemos que parar várias vezes para recuperar o fôlego nesse trecho, mas por fim chegamos lá! Foi uma incrível sensação de conquista!

No caminho encontramos joaninhas, grilos coloridos, aves de rapina fazendo rasantes sobre nós e uma paisagem incrível. Chegando no topo o Picot ficou encantado e passou muito tempo observando a paisagem cuidadosamente de cada um dos vales para os quais tínhamos vista! Esse cachorro é um apaixonado por paisagens e a gente fica até sem graça de ver a dedicação dele em apreciar o momento!

Depois de brincar um pouco com a ideia de que eramos o homem, a mulher e o cachorro mais altos da comarca naquele momento, iniciamos a volta. Encontramos uma trilha um pouco menos íngreme na volta, o que facilitou um pouquinho, mas continuou emocionante.

Já no carro escolhemos voltar por outro caminho, passando por Andorra, conhecemos Os de Cívis e Cívis, e passamos por uma quantidade incrível de árvores vermelhas em um dos cenários de outono mais lindos que já vi!  Não deu pra tirar boas fotos de dentro do carro, mas foi inesquecível.

Fiz a trilha marcando nosso deslocamento com o wikiloc, mas como ainda estou aprendendo a usar o app, só lembrei de gravar a rota quando já estávamos na metade da subida, mas fica a foto para vocês terem uma ideia aproximada.

Mapa ida

Mapa da ida, o trecho marcado em vermelho foi o da estrada de terra assustadora.

mapa volta

Mapa da volta, o trecho em zigzag antes de Os de Cívis é o das árvores vermelhas maravilhosas de outono!

wiki

O que eu consegui gravar com o wikiloc da nossa trilha.

DCIM100GOPRODCIM100GOPRODCIM100GOPRODCIM100GOPRODCIM100GOPRObtybdrbtybdrdavbtybtybtybdrdav

Dicas de Roupa

Eu decidi falar hoje de algo que entendo muito pouco, pouquíssimo, que é moda! Nunca me sinto segura para falar de algo que entendo pouco, mas não vou me fazer de blogueira de moda super entendida das trends, porque não sou. Vou fazer o que eu sei fazer, compartilhar minha experiência própria. Então já fica a dica, se você é da área de moda e acha que eu falei besteira, deixe uma contribuição construtiva nos comentário, combinado?!

Eu sempre gostei de me vestir com muito conforto, odeio usar salto, roupas muito justas e não tenho paciência para maquiagem. Também cresci com um guarda-roupa bem enxuto, composto em sua maioria de doações, aquelas roupas das primas e tias que me salvaram a infância e adolescência inteiras. Mas sempre fui fã de uma camiseta e jeans (short ou calça).

Depois comecei, até por pressão de trabalho e universidade, estágios, etc, a ter que amadurecer meu guarda-roupa. Mas a perspectiva das roupas formais sempre me assustou. Já tive terno, já usei em estágio, já usei em emprego. Pessoalmente, não gosto. Me sinto fantasiada. Tipo a “Barbie Escritório”. Mas quando tem que fazer a gente faz né.

Em outro momento me livrei do mundo mais formal e segui minha vida profissional dando aulas de idiomas, o que me permitiu manter um visual bem informal, e já tendo mais possibilidades financeiras, passei a investir em algumas roupas coloridas, já que amo cores, muitos vestidos e saias midi ou longos, para poder trabalhar mas também sobreviver no calor de Brasília, além de calças de panos leves, mais curtas, ou que ficassem bem com a barra dobrada. Enfim, roupas que pudessem ser vistas como “de trabalho” mas que eu também pudesse sentar no chão com alunos pequenos, cantar e dançar, e me manter sã no calor.

Quando fui pra São Paulo percebi que 99% do meu guarda-roupa era de verão. Muitos shorts, saias e vestidos esvoaçantes. Nada combinava com a cidade da garoa, com muita chuva, dias mais frescos e um inverno muito mais frio do que eu estava acostumada. Além disso sofri com os sapatos. Em Brasília usava muita sapatilha e tênis de tecido, estampado, coisas leves, muitas vezes com aberturas, ou seja, para um lugar onde o clima predominante é o seco e quente. Na Terra da Garoa, perdi alguns pares de sapato, ensopados de uma lama cinza-chumbo fuligem+poluição, até aprender que precisava de outro tipo de coisa.

Aí me desfiz de quase tudo e investi em um all star emborrachado, uns dois pares de Melissas e passei a usar no dia-a-dia minha galocha e as botas e casaco impermeáveis de trilha que antes eu só usava para trilha. No fim das contas, fora os dias mais quentes, que só me salvavam as Melissas, a bota de trilha virou minha melhor companheira, porque me aguentava andando o dia inteiro, pegando ônibus, indo a pé, sem sofrer, sem bolhas, sem pé molhado, sem ter que lavar o sapato da fuligem-lama-poluição no fim do dia. Virou uniforme!

Mais a alma nômade aqui não se aguenta e eis que vim parar nos Pirineus no início do inverno, com muita neve e vento frio. Apesar de dessa vez já ter me desfeito de quase todo o guarda-roupa, pra conseguir me mudar com duas malas apenas (que continham também panelas, toalhas, edredom, minha vida, etc), percebi que não tinha roupas adequadas pra esse clima. Corri para a Decathlon, em busca de uma salvação rápida e barata, pois tinha acabado de lidar com os custos todos da mudança e me virei com o que achei de menor preço.

Juntando essa história toda, minha paixão por cores, as muitas mudanças, os infinitos climas, os desapegos mais que necessários, os preços, a disponibilidade, a urgência, todos juntos, um dia entrei no elevador e ouvi do meu marido, a última pessoa que liga pra moda, um “mas você vai sair assim?”, estranhei e me olhei no espelho. Eu estava com um gorro laranja abóbora, camiseta térmica branca, casaco preto com zíper e detalhes rosa bem forte, legging cinza, meias tipo academia, daquelas que vão até o meio da canela por cima da legging rosa-choque, botas de neve com detalhes rosa forte, um cachecol azul. Tá, predominava o preto e rosa, combinação que já não é muito suave ou discreta, mas a adição de laranja, azul e até mesmo o cinza e branco, e as formas também, a legging muito justa, a meia muito longa por cima, o casaco um pouco curto, a camiseta aparecendo por baixo, bom basta dizer que podia até não estar muito feio, e estava quentinho, mas não era nada muito agradável aos olhos, que dirá fashion.

Depois desse dia parei para pensar e percebi que ao optar por roupas mais informais e esportivas, eu tinha conseguido várias peças muito confortáveis, por ótimo preço, mas que não necessariamente combinavam entre si, e que por isso, eu estava sempre me sentindo menos arrumada, como se tivesse me vestido às pressas, ou saído há pouco da academia e jogado uns casacos, cachecol e luvas por cima.

Comecei a pesquisar o que podia fazer a respeito, levando em conta minhas premissas: 1 – trabalho de casa, o que me permite me vestir informalmente, mas apresentável; 2 – faço trilhas com frequência, às vezes de dia todo, mas às vezes mais curtas, e tenho uma aula para dar antes ou depois; 3 – gosto de conforto e bom preço; 4 – queria um guarda-roupa minimalista, com menos peças, por questões ideológicas, menos consumismo, menos tralha na vida e facilidade nas mudanças.

A primeira sugestão veio do meu marido, a ideia de escolher uma a 3 cores principais e me manter nelas. Nada de ter uma peça de cada cor. Por mais que eu ame cores, essa sugestão foi uma das melhores da vida em termos de guarda-roupa até hoje e é imprescindível para um minimalista.

A segunda foi usar o pinterest e pesquisar moda por itens. Quando vemos blogs, sites e revistas de moda, o que está lá é a moda da vez, que muitas vezes não resolve o problema dos reles mortais no dia-a-dia. Mas no pinterest dá pra procurar por “botas de trilha + outfit”, por exemplo, e vão aparecer vários exemplos mais fashionable, fotos de revistas, ideias de como usar botas de trilha.

Depois de toda essa longuíssima reflexão, vamos as lições que eu aprendi, e que podem ser úteis pra outras pessoas:

1 – defina seu tipo de guarda-roupa, e quantos você precisa ter!

Ex: só posso trabalhar com roupas formais, mas amo usar jeans rasgado. Moro num local com inverno rigoroso e verão muito quente. Essas diferentes colocações vão te dar uma ideia do que é indispensável para você. Se seu guarda-roupa de trabalho e fora dele podem se misturar ou não, se você precisa de roupas para estações diferentes, ou se bastam alguns casacos, mas a base da pra manter, etc.

No meu caso eu posso usar as mesmas roupas para trabalhar, fazer trilha e minhas coisas de casa, desde que escolha bem as peças. Moro num local com 4 estações bem definidas, então preciso de 3 tipos de roupa, verão, inverno e primavera-outono.

2 – Escolha cerca de 3 cores e fique com elas! 

Essa parte é difícil, e estou numa transição porque não vou simplesmente jogar minhas coisas boas fora por conta da cor, mas o que adquirir de novo entra nesse esquema. Eu elegi o preto e o cinza como cores básicas e o azul como cor diferencial. O que me agradou nessa escolha é que tanto o cinza, mas principalmente o azul, possuem uma infinidade de tonalidades, que ficam muito bem entre-si. E mesmo que eu tenha peças que vão do azul-marinho mais escuro, ao azul-esverdeado mais claro, passando pelo turquesa, azul-céu, etc, elas combinam entre si e não preciso pensar muito a respeito.

Liberei o roxo e tons de lilás como uma cor terciária que pode aparecer com menor frequência, e alguns brancos. Amo roxo, já possuo muita coisa dessa cor, não queria desperdiçar e é uma cor que vai bem com as azuis, e aí só preciso pensar um pouquinho antes de vestir.

Ainda acho muito ruim o fato de as roupas esportivas femininas virem quase sempre com detalhes em rosa. É uma cor bonita, apesar de eu não gostar muito, mas é uma cor muito marcante e que não vai bem com todas, especialmente no tom forte, ou choque, que geralmente é usado nesse tipo de roupa. Muitas vezes tenho dificuldade em encontrar opções sem o rosa.

3 – Pare de usar roupas íntimas, meias e camisetas brancas. 

Essa acho que é uma das afirmações mais polêmicas, mas o motivo é simples, elas mancham muito mais fácil e rapidamente e exigem horas e custos extra em tira-manchas e lavagens para ficarem com aparência apresentável. Então preferi eliminar. Mantenho minhas roupas muito bem lavadas, mas não preciso ficar obcecada com manchas e nem me desgastar cuidando delas. Tenho uma bata e uma camisa de botão brancas poque são úteis no guarda-roupa minimalista e, por usar com menor frequência e não em ambiente de trilha, mancham menos.

4 – Use mais roupas masculinas. 

Essa também pode ser polêmica, mas explico. Primeiro tem essa mania das lojas, especialmente as de roupas esportivas, de colocar detalhes em rosa/laranja/amarelo berrantes em roupas femininas. Você quer um casaco preto discreto, ou um cinza, e acha, preto, cinza, azul, com todos os zíperes, elásticos e fechos em rosa/laranja/amarelo berrante. Oi??? Lojas, melhorem! Eu sou mulher e não vou deixar de ser feminina por usar uma roupa esportiva toda preta, cinza, azul ou bege, sem detalhes de nenhuma outra cor. Obrigada! E as masculinas são discretas, preto é só preto, cinza é só cinza, marrom é só marrom, ou as combinações são entre cores sóbrias e não fosforescentes.

Segundo, os bolsos são maiores, os casacos mais confortáveis, porque não são tão curtos, e se você conseguir uma loja masculina que tenha modelagens pequenas, geralmente encontra seu tamanho. Às vezes precisa de um pequeno ajuste na cintura, mas vale a pena.

Terceiro, infelizmente, muitas vezes, a roupa masculina equivalente a feminina é mais barata. A meia muitas vezes é mais grossa (do mesmo tamanho) e acomoda melhor no pé, protegendo melhor de bolhas e calos, o casaco tem mais bolsos, enfim. Experimenta e me conta depois.

5 – Dê uma atençãozinha para os detalhes! 

Muitas vezes a diferença entre uma roupa informal com cara de quem acordou atrasada e uma considerada “na moda” é um cinto, uma barra da calça ou das mangas da camiseta dobradas, uma faixa no cabelo, uma munhequeira bem colocada, a coordenação entre o formato da camiseta/alças/decote e o do top embaixo, entre outras. Para essas o Pinterest salva. Escolhe um item, mesmo que você ache que não tem nada a ver com moda, como botas de trilha, luvas de esqui e coloca lá. Vão aparecer fotos legais, com sugestões interessantes de uso.

6 – Tenha os acessórios em cor neutra!

Meias, luvas, cinto, munhequeira, faixa de cabelo, cachecol, gorro, esses itens eu hoje em dia tenho todos em preto e/ou cinza. Facilita, ninguém repara que você usa o mesmo todo dia, e combina com tudo.

Um cachecol ou outro numa das suas cores escolhidas vale também! Mas tenha o básico e se for ser minimalista à risca, só o básico.

Eu confesso que depois de fazer essas modificações, minha vida ficou mais simples, escolher roupas de manhã sem ter que pensar nas diversas atividades do dia e saber que qualquer uma vai servir para todos os casos; poder jogar na mochila quaisquer 5 camisetas e duas calças e saber que todas combinam entre-si; me sentir melhor, mais bonita e apresentável sem sofrer pra isso, são só algumas das vantagens que eu vi.

Ainda tenho algumas peças muito boas e que fogem à essas regras e uso bastante, como meu casaco impermeável vermelho, porque ele é ótimo e sou contra trocar estando bom. Vermelho e azul não ficam ruins, então vamos nessa. No dia que estragar, aí eu repenso. Essas conclusões e aprendizados vão muito além da moda, geram um pensamento em torno de sustentabilidade, meio-ambiente, e bem estar pessoal, independentemente da moda que muda toda semana. Quem sabe não te inspira também!

 

 

 

Chocolate quente

Hoje vamos de receitinha básica! Já que aqui tá ficando frio, a bola da vez é o chocolate quente. A receita é tão simples e fácil que nem é receita mesmo, mas é uma delícia, cremosíssima e vegana!

Bom, vamos lá:

Ingredientes:

  •  2 xícaras de flocos grossos de aveia
  • 1 xícara de água quente ou leite vegetal de aveia (nesse caso a gente diminui meia xícara de flocos)
  • 2 colheres de sobremesa (ou 1 e 1/2 de sopa) de chocolate em pó (pode ser só cacau em pó também)
  • 1 colher de sopa rasa de açúcar mascavo (pode adoçar de outra forma ou não adoçar)
  • 1 pitada de gengibre e canela em pó (opcionais)

Preparo:

  • esquente num fervedor (ou microondas se preferir) a água ou o leite de aveia até quase ferver.
  • misture os flocos de aveia, o chocolate e o açúcar. Acrescente também a canela e gengibre caso vá utilizá-los.
  • bata com um mixer de mão ou coloque no liquidificador. A aveia, aquecida e triturada vai engrossar muito, pode acrescentar mais leite ou água quente, se quiser menos grosso. Quando começar a esfriar vai engrossar ainda mais, então deixe num ponto um pouco mais líquido do que você gostaria. Eu fiz para beber e acabei comendo de colher.

(*ps: não tem foto, porque eu comi tudo antes de conseguir pensar em escrever um post! Se eu fizer de novo esses dias – olha a desculpa – faço só para poder tirar a foto e colocar aqui).

Aproveite!

Pic de Medecourbe

Essa foi uma trilha que fizemos eu e o Picot, já que a Ju estava em Barcelona fazendo um curso. A escolha foi feita de maneira bem simples: eu queria chegar até a divisa de Andorra, França e Espanha (em uma delas, porque há duas fronteiras tríplices dos dois países). O lado leste nós já havíamos passado perto, então decidi ir até o lado oeste.

O caminho até o início passa por uma vila chamada La Massana, que me surpreendeu pela tranquilidade, apesar da maneira como Andorra costuma ser. A vila é bem bonitinha, bem menos apinhada que a capital, que fica poucos quilômetros abaixo. Passada essa vila, chega-se a um local chamado Arinsal, onde funciona uma estação de esqui no inverno. Ali existe um pequeno estacionamento para o Parque de Comapedrosa, um dos parques naturais de Andorra. Neste estacionamento é permitido deixar o carro por até 3 dias, para quem quiser caminhar por mais tempo. O parque recebe esse nome por causa do pico homônimo, o mais alto de Andorra, sendo 30 metros mais alto que o Medecourbe, mas ele não faz divisa com lugar nenhum, não atendendo aos meus estranhos critérios de escolha… A trilha toda possui fontes em intervalos regulares, então leve uma garrafa pequena, não fará muita falta levar litros e litros de água!

O começo do caminho já mostra o sufoco que vem pela frente. Em menos de 8km de subida, o desnível chega a mais de 1.400 metros. A trilha toda segue em uma inclinação brutal, salvo por poucos momentos, como o Pla de l´Estany, um grande campo plano onde se juntam diversos córregos que descem a montanha. O tempo total de subida até o Pico foi de 5 horas, considerando as pausas para descanso, que foram várias e fartas. Durante o percurso passa-se por diversas casas, e em algumas delas umas famílias pareciam passar um dia de descanso. Não sei se são propriedades particulares ou se são alugadas, mas não há nada que impeça de passar perto delas. Não há cercas ou placas proibindo. Passa-se também pelo refugio de Pla de l´Estany, que é construído de maneira idêntica a outro refugio de Andorra, o de Perafita. Deve ser alguma diretriz dos parques. Neste ponto alguns senhores guardavam equipamentos de cozinha e brincavam com um drone. Eles subiram de carro até ali, não se com permissão, pois é vedado para veículos que não sejam do próprio parque. Mas Andorra é um país de uma elite que não conhece limites, então é difícil dizer se eles usam da posição para subir ou simplesmente desrespeitam as regras. Para além desse refúgio, não há mais construções confiáveis, somente um barraco de metal, para que ninguém morra caso se perca por ali.

Do Pla de l´Estany o caminho serpenteia montanha acima, passando por uma pequena cachoeira. Neste ponto, um grupo de mais de 20 idosos franceses descansavam, e ao me verem perguntaram avidamente sobre um lago de trutas. Não sei se eles estavam muito perdidos ou só um pouco, mas sinceramente não sei do que falavam. Ainda mais acima dessa cachoeira, finalmente estão os Estanys Forcats. São 3 lagos de água verde acinzentada, muito limpa. os dois lagos inferiores são maiores e ficam no mesmo nível, ao lado de um deslizamento de pedra imenso. Ao subir por este deslizamento é possível ver o terceiro, que fica separado do lago do meio por um paredão imenso. Este terceiro lago é menor e mais turvo. Quando ele se torna visível, a trilha simplesmente desaparece, e, para chegar ao topo do Pic de Medecourbe é preciso completar o caminho com uma escalada.

Não chega a ser uma escalada profissional, mas é um trecho que eu não vejo possibilidade de subir sem utilizar as mãos. Guardei o meu walking stick e comecei a procurar entre as pedras os caminhos mais seguros. O Picot, por sorte, é um excelente alpinista, pulando corajosamente entre as fendas. Os trechos muito verticais para ele não são problema, pois ele rapidamente dá a volta na pedra e acha outro caminho. Somente uma vez na subida toda eu tive que pegá-lo pelo cangote e puxá-lo para cima na força. Conseguimos dessa maneira nos aproximar do Pico, que se encontra em uma imensa linha de picos interligadas, formando um paredão. O ponto específico é identificável por um bastão de metal preso entre algumas pedras. Ao chegar no topo, a vista subitamente se abre para a França, de frente para um imenso vale, onde estão o Étang de Medecourbe, mais próximo, e o Étang de Soulcem, mais a frente, imenso! Também é possível manter a vista para os Estany Forcats de Andorra e para os Estanys de Baiau, na Espanha. A vista para três países, cada um com seus lagos!

Paramos para descansar e apreciar a vista. O Picot ficou encantado com o lugar, olhando fixamente para o vale abaixo. Acho que já falamos isso, mas ele aprecia genuinamente as vistas, pulando em todas as muretas que bloqueiam sua visão e já chegando até ao ponto de pedir para atravessarmos a rua só para subir em uma mureta e ver o rio de Tolouse. De qualquer forma, ele só interrompeu o seu estado contemplativo para dividir uns pedaços de queijo comigo. Quando iniciei a descida, ele ficou um pouco para trás, aproveitando os últimos momentos. O caminho de volta foi complicado pelas dores de impacto nos joelhos. Mesmo com o walking stick, a inclinação era muito acentuada e por duas vezes eu caí por pisar em falso. Foram aproximadamente 2 horas e meia de caminhada sem parada para chegar de novo ao estacionamento.

Essa trilha não é, de maneira nenhuma, recomendada para as pessoas que não tenham um bom preparo físico e experiência em montanha. Foi um dos locais mais bonitos que eu visitei na região, mas a exigência de resistência e agilidade superam quase todas as outras trilhas já descritas.

La Seu - Arinsal

Mapa La Seu – Arinsal (carro)

Arinsal - Medecourbe

Arinsal até o estacionamento do parque. O Google não marca a trilha a pé, que certamente não corresponde a esse pontilhado.

Medecourbe wiki

Busquei no wikiloc algum mapa dessa trilha, mas não encontrei nenhum que tenha feito exatamente o mesmo trecho, esse, por exemplo, faz uma trilha circular, passando também pelo Pic Comapedrosa, mas ao ler o texto e compará-lo com a foto dá para se ter uma boa ideia da trilha feita. Fonte wikiloc 

WP_20170913_003WP_20170913_008WP_20170913_014WP_20170913_016WP_20170913_018WP_20170913_024WP_20170913_029WP_20170913_032WP_20170913_036WP_20170913_046WP_20170913_056WP_20170913_060

Saúde

Há uns tempos atrás uma amiga muito querida me pediu/sugeriu escrever um post sobre saúde. No começo resisti muito, pois não sou nada da área de saúde e não posso ficar dando conselhos sobre isso por aí. Mas depois reli a sugestão dela e me veio na cabeça escrever sobre o que sempre escrevo: sobre mim! Sobre minha experiência, minha história, meu diário.

Vou contar um pouquinho do meu histórico aqui: nasci prematura, de 7 meses, pesando pouquíssimo mais de 1kg, para o desespero da minha mãe. Mas não tive nenhuma sequela. Na verdade, menos de 12h depois do meu nascimento, já não precisava de nenhum cuidado especial, nem os que normalmente crianças de 9 meses precisam. Mas não conseguia me alimentar. Fui alimentada por sonda por 45 dias, com leite materno, da minha mãe e de muitas mães de leite que eu tive!

Esse fato poderia ser irrelevante não fosse o detalhe que ele provocou na minha mãe e na minha avó: as obsessões alimentares. Ambas sofriam de anorexia, não diagnosticada, mas bastante óbvia se acompanhada de perto. Acho que quando eu nasci ainda não sofriam, ou não estavam em período de crise, mas ambas tinham problemas com depressão, ansiedade, minha mãe teve em diversas ocasiões crises de pânico, e no final da vida de ambas a anorexia se tornou evidente.

Desde sempre lembro de minha avó fazer comentários um tanto quanto maldosos sobre o peso, dela, meu, de primas, da minha mãe, e outras pessoas. Então creio que mesmo que não estivessem sofrendo com o baixo peso excessivo naquele momento, o tópico dos transtornos alimentares sempre esteve ali, rondando, sabe?! Mas o fato de eu ter nascido prematura e muito pequena teve um efeito, positivo ou negativo é discutível, e ambas me empanturraram de comida na infância: óleo de fígado de bacalhau, Biotônico Fontoura com sementes de sucupira mergulhadas, pernas de rã (que eu não gostava), rins (sempre odiei), foram uma infinidade de suplementos famosos na época que fizeram parte da minha dieta.

Resultado: aos 8 anos deixei de ser a menininha magrela que tinha sido até então e entrei numa fase mais cheinha, que demorou pra acabar, e que se de um lado me superalimentavam, de outro faziam os comentários ácidos sobre peso e aparência, e isso gerou uma pré-adolescência bastante sofrida em termos de auto-imagem corporal. Isso vem, pra mim, do lado negativo.

Do lado positivo, vem a combinação de uma mãe hippie e uma avó criada em fazenda. Sempre comemos tudo feito em casa, com muuuuuita fruta, pomar em casa, horta, muita verdura, muita planta. A sobremesa de segunda a sexta era fruta. Durante as refeições só água. Sucos como lanche da manhã ou tarde. Nada industrializado. Nos fins de semana, às vezes um refrigerante ou uma sobremesa feita de chocolate, leite condensado, essas coisas, mas eram eventualidades. Nunca me foram proibidos, mas foram desencorajados. Até porque, lá em casa, o que era visto como relíquia, tesouro, algo a ser desejado, era uma boa goiabada com queijo de fazenda, doce de fruta em calda, pudim de leite, ou ambrosia goiana (a versão da família da minha avó, o famoso “doce de ovos”, era muito melhor que qualquer ambrosia que já tenha comido fora de casa!).

Com minha mãe veio o hábito das vitaminas, abacate, castanhas do pará (ou do Brasil, como tem sido chamadas), leite de soja. Além da babosa no cabelo, cultivada em casa (o famoso aloe vera), o creme de abacate no cabelo, o chá de camomila no meu cabelo loiro da infância, o óleo de uva na pele, e essas coisas que hoje em dia estão sendo consideradas o máximo em termos de produtos de beleza orgânicos e naturais, e que na minha infância eram apenas os reflexos hippies de quem acreditava num mundo mais natural e ao mesmo tempo não tinha grana pros produtos industrializados. Aliás, minha mãe ficaria entre o irônica e furiosa com os preços cobrados hoje em dia por uma vitamina de abacate ou um xampu de aloe vera.

Mas essa mistura me fez crescer num ambiente que foi marcado por uma alimentação saudável, em sua maior parte, e por pessoas que evitavam correr para os remédios convencionais. Minhas dores de ouvido eram tratadas com compressa de farinha de mandioca, e a dor de garganta com chá de gengibre, cravo e canela que dava suadouro. A tosse do inverno com café com uma colherinha de manteiga e mil outras crendices, que sem entrar na discussão de se funcionavam ou não, se são respaldadas pela medicina atual ou não, de fato, fizeram com que eu crescesse bem, saudável, com peso e altura sempre muito elogiados pelos pediatras e sem me entupir de remédios. Aliás, remédios eram vistos como última instância, e mesmo assim, na maioria dos casos, homeopáticos.

Eu cresci então com essa visão, mas só anos depois, e bem recentemente, percebi o impacto real dela em mim. Até hoje tenho mania de tentar resolver e definir tudo pela alimentação e hábitos relativos ao sono, controle do estress, cansaço, etc.

Em outros pontos a criação não ajudou muito. Embora meu avô tenha insistido que aprender a nadar era uma questão de sobrevivência, e antes dos 2 anos eu já nadasse sozinha e sem boias, numa piscina que não dava pé, e tenha feito natação até os 18, a prática de atividade física regular não era uma coisa vista como essencial. E demorei muito pra encontrar um jeito de manter o corpo em movimento na vida adulta que eu gostasse. Sempre odiei os esportes competitivos. É uma visão bem pessoal.

Mas o resumo é que nunca fumei, muitos em minha família fumaram e eu odiava com todas as minhas forças. Bebi muito pouco, em uma breve fase que logo abandonei, e agora já completo anos sem álcool. Nunca, Jurema? Nunca, nem uma tacinha, nem às vezes. Não!

Então, para falar de saúde, primeiro tenho que deixar isso claro. Nunca usei aparelhos dentários, nunca tive cáries, nunca fiz cirurgias, nunca fumei, não bebo uma gota há anos, não uso drogas e entorpecentes de nenhum tipo, cresci com uma alimentação bem saudável, que vem se tornando cada vez mais. Não como carnes de nenhum tipo há anos também. Sempre bebi muuuuuuita água, e chás!

Com meu marido, aprendi que o chá muito quente pode fazer mal ao estômago, por danificar aos poucos a mucosa, com o líquido muito quente. Fui pesquisar e descobri que é por isso que as xícaras de chá orientais não possuem local para segurar afastado do copo. Se estiver muito quente para segurar com a mão cheia, não deve ser ingerido, e passei a adotar a técnica. Só bebo o chá quando consigo segurar a xícara com ambas as mãos por pelo menos um minuto sem sentir incômodo.

Sempre que me sinto mal, o que não é frequente, analiso bem minha situação emocional, as mudanças de vida, a alimentação, e tento trabalhar isso antes de recorrer a remédios. Aprendi com o tempo os efeitos que o clima tem em mim, não lido bem com o calor forte, especialmente o mais úmido, tenho respeitado mais minha digestão, e meu corpo, meus horários naturais de sono, de ir ao banheiro, etc.

Algumas coisas e pessoas foram e são fundamentais nos meus processos de auto-conhecimento e saúde. Um dos que mudou minha vida foi um nutricionista, de Brasília, que me ajudou na transição para o vegetarianismo, e também me ajudou muuuuuito com auto-conhecimento. Foi uma das pessoas que mudou minha vida. Outra foi uma médica homeopata em São Paulo, a única que resolveu depois de 17 anos, meu problema com cólicas menstruais. Dos 12 aos 29 sofri horrores com cólicas, com mil histórias tensas, de ter que ir da escola para o hospital, de tomar superdose de medicamentos para cólica, enfim, sofrimentos variados, e infelizmente, considerados normais, por muitas mulheres. Há 2 anos e meio não sinto mais cólicas debilitantes, minha menstruação não é mais um período temido e sofrido, e embora às vezes ainda tenha cólicas leves, aprendi como resolvê-las e aprendi a me respeitar nesse período, me recolhendo mais, e respeitando minhas necessidades de descanso e paz!

Outra coisa que mudou minha vida e minha relação com meu corpo foi o Método DeRose! Pratico desde 2014 e cada vez aprendo mais, gosto mais, descubro mais. Ainda falta muito nessa jornada, mas nem consigo enumerar aqui tudo que ele me trouxe de bom, não só em termos de saúde, mas de autoconfiança, desenvoltura, e muitas, mas muitas ferramentas, pra lidar com o dia-a-dia, com minhas emoções, com a vida em geral.

Eu não sei se consegui, com esse post, responder pra minha amiga Nay como cuido da minha saúde, mas é isso aí. E sinto que ainda tenho tanto pra mudar, tanto pra aprender! Cada mês é uma nova descoberta sobre como lidar comigo mesma e com os outros. E me sinto cada vez melhor!