Sons novos e meus sons

Estou pela primeira vez escrevendo dentro da minha casa nova. Nossa. De verdade. Assim, tipo, de papel passado, que nem o casamento. Eu demorei quase um ano pra conseguir chamar o André de marido sem rir, ou me sentir uma dona de casa louca dos anos 50. Será que com o apê vai ser assim também? Ainda não me acostumei com os sons. Eles quase não existem, veja bem. Mais às vezes a porta do vizinho bate e eu não sei se foi aqui ou não. Sou de novo um alien, uma estranha, uma estrangeira, mesmo dentro da minha casa.

Olho um pouco pro lado e vejo meu cão, o Picot, esparramado no sofá. Temos um sofá esparramável agora. Isso também me assusta um pouco. Percebo que o som dos meus dedos nas teclas soam altos demais. A casa está silenciosa. O som é estranho. Parece que digito com mais força que o necessário. Parece que desaprendi a escrever. Esses sons, essa falta de som, vão me deixar louca. Pauso a escrita e aperto o play. Respiro, inspiro e expiro profundamente com as primeiras notas. Enya. É clichê. Eu sei. Mas as palavras voltam a fluir junto com o Oniroco nos meus ouvidos. Já não escuto meu pescoço estralando, a borracha das botas apitando no piso azulejado ou o som das minhas teclas ou das outras, pois em outro cômodo o André também está no computador dele. Dois mundos, duas vidas. Nessa nova casa cabem muitas.

É a segunda vez que mobílio uma casa quase que de uma vez só, considerando o básico. Isso sempre me assusta. Me sinto ousada demais, comprometida demais com essa vida, esse futuro. Mas aí lembro que não é a primeira vez que faço isso. Já aprendi que as coisas, os objetos, os móveis, as roupas, eles vêm e vão, com o vento, com a vida. E a minha é dessas. Às vezes me sinto abençoada até demais, e fico com medo do que espreita na próxima esquina. Em outras lembro de tudo o que já passei, e lembro que mesmo quando a onda sobe, consigo ver claramente, por baixo das espuma branca, o verde claro, o verde escuro e o azul profundo. Sim, eu conheço intimamente aquele azul profundo. Já estive lá tempo suficiente para aprender a respirar embaixo d’água. Para aprender que tenho nos meus braços fibra suficiente para retornar, quantas vezes forem necessárias. Sobrevivo ao mar porque sou maré. Vou e venho mais que ele, vou e venho porque sou quem o faz subir e descer.

Tinha esquecido do chá. Verde com raspas de laranja. Comprei em Granada. Que cidade maravilhosa. Estou devendo os detalhes dessa mudança louca e incrível. 2005, uma mudança de casa, a da infância para o purgatório. 2009, do purgatório para a (única de verdade) casa da minha mãe. 2012, fuga cega de lá, fugindo da morte e do futuro, refúgio no porto seguro da família. 2013, minha casa de bonecas, meu mundo turquesa, branco e lilás, com pássaros em todos os cantos! 2014/2015, um mês na casa do outro, descobrindo a vida a dois. 2015, a construção de um lar a dois. Pedacinhos da minha casa de boneca se fundiram com móveis de família, coisas que já estavam lá, novo e velho e sua síntese. 2016/2017, país, cidade, praticamente mundo novo. Nada meu, nada nosso. Nenhum direito à propriedade. Muito direito à liberdade. Neve e montanhas. Queijo de cabra e chocolate. Muita introspecção e muito saco de dormir, fogareiro e lampião. 2017/2018, ufa! Uma casa para chamar de nossa. Ikea. Espaço. Quartos. Assim, no plural. O barulho do trem na janela, e todos esses outros barulhos que ainda não sei nomear. 9 casas, e contando.

Só tive cortinas, dessa que se compra na loja, decorativa, em duas delas. As duas que mobiliei. As outras ou eram muito passageiras, ou não eram tão minhas. Quando pendurei aquelas cortinas turquesa, cheias de pássaros brancos, sabia que precisava daquela luz azul filtrada, e daqueles pássaros para decorar minha pequena gaiola de 20m2. Vivi empoleirada ali o tempo suficiente para aprender a voar. E voei muito. Muito mais longe do que imaginava. Só não tinha aprendido ainda, que para levar um coco, são necessárias duas andorinhas. Talvez por isso esse novo voo seja tão longo e as distâncias tão grandes. Agora somos duas andorinhas, levando esse coco pelo mundo. Olho minhas cortinas cinza. Penso nisso. Eu, que sempre fui fã das cores, de tudo junto e misturado, das casa de boneca, dos contos de fadas, agora tenho uma casa monocromática. Preto. Branco. Cinza. Talvez aqui eu perca o medo ou me acostume com a ideia de ser adulta. Não, o fato de 31 anos ainda não me fez aprender isso.

Ao mesmo tempo que vejo nesses muitos quartos, assim, no plural, e nos tons sérios, uma vida possivelmente mais adulta e muitas possibilidades e desafios incríveis, além de oportunidades muito boas e concretas, se abrindo nesse novo horizonte, sei que o armário da cozinha continua tendo cookies e chocolate cremoso. Que a faxina continua sendo postergada ao limite. Que nós ainda fazemos fortes de travesseiros, e todas essas almofadas desse enorme sofá somadas à mesa de centro só fazem isso ficar mais fácil.

Que parte da nossa decoração, a única do momento, se constitui em mini personagens de desenho animado, de plástico colorido, que ganhamos na promoção do supermercado. Agora nossos livros de filosofia e línguas dividem a prateleira com o Capitão Cueca, o burro do Sherk e a Zebra de Madagascar. Espero que essa síntese, das cortinas cinza e do burro de madagascar cueca me ajudem a continuar crescendo, a continuar mais próxima da espuma branca do que do azul profundo. Que eu não tenha medo dele, mas me lembre bem da sua cor e da sua falta total de sons para que os sons estranhos de agora não me assustem.

Lauper canta na minha orelha e eu lembro que é parte da vida só querer diversão. Que eu me autorizo a ter 31 anos, um apartamento digno de adultos e comer chocolate cremoso por cima dos cookies enquanto assisto maratonas do netflix debaixo do forte de travesseiros. Que eu me autorizo a me sentir soterrada pela burocracia, e que a vontade de jogar tudo pra cima não é só minha. Quem sabe um  pouco de som dos 80’s dançando na sala com o cachorro e rindo do marido não façam eu me acostumar com todo esse cinza, toda essa papelada e toda essa vida concreta da mesma forma que me acostumei com a palavra marido. Perdi o medo dela, depois de revirar que nem uma bala na boca, esperando derreter, que nem doce.

Continuo com medo dos ventos que me levam por aí em busca de novos sons e novos chocolates. Mas já sei que em vez de perder casas, vou colecionando elas. E pra deixar o momento mais perfeito a Salmazo me canta sobre a palhoça dela. Acho que vou lá tirar nossa fotografia do dia, e encher essa sala dos meus sons. Desconecto o fone de ouvido do computador e salvo o texto. Vou dançar comendo chocolate cremoso.

 

O Silêncio e o Caminhar

Já falei algumas vezes aqui no blog sobre a importância do caminhar na minha vida. Sempre amei dar longos passeios a pé, fiz muito isso com minha mãe quando criança, continuei na adolescência, economizando nos ônibus e indo a pé sempre que possível. Quando estava no carro ou no ônibus, com frequencia via uma ruela, um morro, uma trilha que se perdia e me pegava sonhando em segui-la, em andar até descobrir o que tinha do outro lado. Sempre tive essa curiosidade e esse amor pela caminhada.

Além disso, desde cedo me acostumei com o fato de que ao andar, em silêncio, meus pensamentos se organizam, reorganizam e a vida fica mais fácil. O banho é também um bom momento, mas procuro não gastar muita água e em 5 ou 10 minutos não consigo fazer toda a reflexão de uma caminhada de 2h, ou mesmo uma de 5h ou 6h quando o corpo e a mente atingem um outro patamar.

Busco caminhar por prazer, mas se fico muito tempo sem, e esse muito tempo para mim hoje em dia é coisa se 4 dias, me sinto inquieta. Preciso nem que seja de uma volta de 1h. Sempre opto por sair para uma caminhada solitária quando estou com raiva, quando um desentendimento aconteceu. Sair de perto, acalmar as emoções, deixar o choro fluir e depois reorganizar os sentimentos e os pensamentos, alinhar a melhor forma de expôr e só depois voltar para uma conversa, faz parte de um procedimento que evita brigas e resolve desentendimentos muito bem.

A caminhada e o silêncio também me ajudam com a parte criativa, e muitas vezes volto cheia de ideias, desde pequenas coisas do dia-a-dia, passando por textos que compartilho aqui, até decisões importantes de mudança de vida.

Já comentei sobre o livro Caminhar, do Thoreau, e o Caminhar: Uma Filosofia do Gròs no post Sonhos e Aprendizados. Hoje compartilho com vocês o post “Ficar em silêncio e caminhar são hoje em dia duas formas de resistência política” do blog Desenhares, de Sílvio Diogo, no qual ele traduz para o português a entrevista homônima publicada originalmente em espanhol no Diario de Sevilla, do sociólogo e filósofo francês, David Le Breton. Espero que gostem da reflexão e fica também a dica de leitura dos livros do Le Breton, mencionados na entrevista, os quais ainda não li, mas já estão na minha lista.

Boa semana, e boas caminhadas e silêncios!

Dicas de Roupa

Eu decidi falar hoje de algo que entendo muito pouco, pouquíssimo, que é moda! Nunca me sinto segura para falar de algo que entendo pouco, mas não vou me fazer de blogueira de moda super entendida das trends, porque não sou. Vou fazer o que eu sei fazer, compartilhar minha experiência própria. Então já fica a dica, se você é da área de moda e acha que eu falei besteira, deixe uma contribuição construtiva nos comentário, combinado?!

Eu sempre gostei de me vestir com muito conforto, odeio usar salto, roupas muito justas e não tenho paciência para maquiagem. Também cresci com um guarda-roupa bem enxuto, composto em sua maioria de doações, aquelas roupas das primas e tias que me salvaram a infância e adolescência inteiras. Mas sempre fui fã de uma camiseta e jeans (short ou calça).

Depois comecei, até por pressão de trabalho e universidade, estágios, etc, a ter que amadurecer meu guarda-roupa. Mas a perspectiva das roupas formais sempre me assustou. Já tive terno, já usei em estágio, já usei em emprego. Pessoalmente, não gosto. Me sinto fantasiada. Tipo a “Barbie Escritório”. Mas quando tem que fazer a gente faz né.

Em outro momento me livrei do mundo mais formal e segui minha vida profissional dando aulas de idiomas, o que me permitiu manter um visual bem informal, e já tendo mais possibilidades financeiras, passei a investir em algumas roupas coloridas, já que amo cores, muitos vestidos e saias midi ou longos, para poder trabalhar mas também sobreviver no calor de Brasília, além de calças de panos leves, mais curtas, ou que ficassem bem com a barra dobrada. Enfim, roupas que pudessem ser vistas como “de trabalho” mas que eu também pudesse sentar no chão com alunos pequenos, cantar e dançar, e me manter sã no calor.

Quando fui pra São Paulo percebi que 99% do meu guarda-roupa era de verão. Muitos shorts, saias e vestidos esvoaçantes. Nada combinava com a cidade da garoa, com muita chuva, dias mais frescos e um inverno muito mais frio do que eu estava acostumada. Além disso sofri com os sapatos. Em Brasília usava muita sapatilha e tênis de tecido, estampado, coisas leves, muitas vezes com aberturas, ou seja, para um lugar onde o clima predominante é o seco e quente. Na Terra da Garoa, perdi alguns pares de sapato, ensopados de uma lama cinza-chumbo fuligem+poluição, até aprender que precisava de outro tipo de coisa.

Aí me desfiz de quase tudo e investi em um all star emborrachado, uns dois pares de Melissas e passei a usar no dia-a-dia minha galocha e as botas e casaco impermeáveis de trilha que antes eu só usava para trilha. No fim das contas, fora os dias mais quentes, que só me salvavam as Melissas, a bota de trilha virou minha melhor companheira, porque me aguentava andando o dia inteiro, pegando ônibus, indo a pé, sem sofrer, sem bolhas, sem pé molhado, sem ter que lavar o sapato da fuligem-lama-poluição no fim do dia. Virou uniforme!

Mais a alma nômade aqui não se aguenta e eis que vim parar nos Pirineus no início do inverno, com muita neve e vento frio. Apesar de dessa vez já ter me desfeito de quase todo o guarda-roupa, pra conseguir me mudar com duas malas apenas (que continham também panelas, toalhas, edredom, minha vida, etc), percebi que não tinha roupas adequadas pra esse clima. Corri para a Decathlon, em busca de uma salvação rápida e barata, pois tinha acabado de lidar com os custos todos da mudança e me virei com o que achei de menor preço.

Juntando essa história toda, minha paixão por cores, as muitas mudanças, os infinitos climas, os desapegos mais que necessários, os preços, a disponibilidade, a urgência, todos juntos, um dia entrei no elevador e ouvi do meu marido, a última pessoa que liga pra moda, um “mas você vai sair assim?”, estranhei e me olhei no espelho. Eu estava com um gorro laranja abóbora, camiseta térmica branca, casaco preto com zíper e detalhes rosa bem forte, legging cinza, meias tipo academia, daquelas que vão até o meio da canela por cima da legging rosa-choque, botas de neve com detalhes rosa forte, um cachecol azul. Tá, predominava o preto e rosa, combinação que já não é muito suave ou discreta, mas a adição de laranja, azul e até mesmo o cinza e branco, e as formas também, a legging muito justa, a meia muito longa por cima, o casaco um pouco curto, a camiseta aparecendo por baixo, bom basta dizer que podia até não estar muito feio, e estava quentinho, mas não era nada muito agradável aos olhos, que dirá fashion.

Depois desse dia parei para pensar e percebi que ao optar por roupas mais informais e esportivas, eu tinha conseguido várias peças muito confortáveis, por ótimo preço, mas que não necessariamente combinavam entre si, e que por isso, eu estava sempre me sentindo menos arrumada, como se tivesse me vestido às pressas, ou saído há pouco da academia e jogado uns casacos, cachecol e luvas por cima.

Comecei a pesquisar o que podia fazer a respeito, levando em conta minhas premissas: 1 – trabalho de casa, o que me permite me vestir informalmente, mas apresentável; 2 – faço trilhas com frequência, às vezes de dia todo, mas às vezes mais curtas, e tenho uma aula para dar antes ou depois; 3 – gosto de conforto e bom preço; 4 – queria um guarda-roupa minimalista, com menos peças, por questões ideológicas, menos consumismo, menos tralha na vida e facilidade nas mudanças.

A primeira sugestão veio do meu marido, a ideia de escolher uma a 3 cores principais e me manter nelas. Nada de ter uma peça de cada cor. Por mais que eu ame cores, essa sugestão foi uma das melhores da vida em termos de guarda-roupa até hoje e é imprescindível para um minimalista.

A segunda foi usar o pinterest e pesquisar moda por itens. Quando vemos blogs, sites e revistas de moda, o que está lá é a moda da vez, que muitas vezes não resolve o problema dos reles mortais no dia-a-dia. Mas no pinterest dá pra procurar por “botas de trilha + outfit”, por exemplo, e vão aparecer vários exemplos mais fashionable, fotos de revistas, ideias de como usar botas de trilha.

Depois de toda essa longuíssima reflexão, vamos as lições que eu aprendi, e que podem ser úteis pra outras pessoas:

1 – defina seu tipo de guarda-roupa, e quantos você precisa ter!

Ex: só posso trabalhar com roupas formais, mas amo usar jeans rasgado. Moro num local com inverno rigoroso e verão muito quente. Essas diferentes colocações vão te dar uma ideia do que é indispensável para você. Se seu guarda-roupa de trabalho e fora dele podem se misturar ou não, se você precisa de roupas para estações diferentes, ou se bastam alguns casacos, mas a base da pra manter, etc.

No meu caso eu posso usar as mesmas roupas para trabalhar, fazer trilha e minhas coisas de casa, desde que escolha bem as peças. Moro num local com 4 estações bem definidas, então preciso de 3 tipos de roupa, verão, inverno e primavera-outono.

2 – Escolha cerca de 3 cores e fique com elas! 

Essa parte é difícil, e estou numa transição porque não vou simplesmente jogar minhas coisas boas fora por conta da cor, mas o que adquirir de novo entra nesse esquema. Eu elegi o preto e o cinza como cores básicas e o azul como cor diferencial. O que me agradou nessa escolha é que tanto o cinza, mas principalmente o azul, possuem uma infinidade de tonalidades, que ficam muito bem entre-si. E mesmo que eu tenha peças que vão do azul-marinho mais escuro, ao azul-esverdeado mais claro, passando pelo turquesa, azul-céu, etc, elas combinam entre si e não preciso pensar muito a respeito.

Liberei o roxo e tons de lilás como uma cor terciária que pode aparecer com menor frequência, e alguns brancos. Amo roxo, já possuo muita coisa dessa cor, não queria desperdiçar e é uma cor que vai bem com as azuis, e aí só preciso pensar um pouquinho antes de vestir.

Ainda acho muito ruim o fato de as roupas esportivas femininas virem quase sempre com detalhes em rosa. É uma cor bonita, apesar de eu não gostar muito, mas é uma cor muito marcante e que não vai bem com todas, especialmente no tom forte, ou choque, que geralmente é usado nesse tipo de roupa. Muitas vezes tenho dificuldade em encontrar opções sem o rosa.

3 – Pare de usar roupas íntimas, meias e camisetas brancas. 

Essa acho que é uma das afirmações mais polêmicas, mas o motivo é simples, elas mancham muito mais fácil e rapidamente e exigem horas e custos extra em tira-manchas e lavagens para ficarem com aparência apresentável. Então preferi eliminar. Mantenho minhas roupas muito bem lavadas, mas não preciso ficar obcecada com manchas e nem me desgastar cuidando delas. Tenho uma bata e uma camisa de botão brancas poque são úteis no guarda-roupa minimalista e, por usar com menor frequência e não em ambiente de trilha, mancham menos.

4 – Use mais roupas masculinas. 

Essa também pode ser polêmica, mas explico. Primeiro tem essa mania das lojas, especialmente as de roupas esportivas, de colocar detalhes em rosa/laranja/amarelo berrantes em roupas femininas. Você quer um casaco preto discreto, ou um cinza, e acha, preto, cinza, azul, com todos os zíperes, elásticos e fechos em rosa/laranja/amarelo berrante. Oi??? Lojas, melhorem! Eu sou mulher e não vou deixar de ser feminina por usar uma roupa esportiva toda preta, cinza, azul ou bege, sem detalhes de nenhuma outra cor. Obrigada! E as masculinas são discretas, preto é só preto, cinza é só cinza, marrom é só marrom, ou as combinações são entre cores sóbrias e não fosforescentes.

Segundo, os bolsos são maiores, os casacos mais confortáveis, porque não são tão curtos, e se você conseguir uma loja masculina que tenha modelagens pequenas, geralmente encontra seu tamanho. Às vezes precisa de um pequeno ajuste na cintura, mas vale a pena.

Terceiro, infelizmente, muitas vezes, a roupa masculina equivalente a feminina é mais barata. A meia muitas vezes é mais grossa (do mesmo tamanho) e acomoda melhor no pé, protegendo melhor de bolhas e calos, o casaco tem mais bolsos, enfim. Experimenta e me conta depois.

5 – Dê uma atençãozinha para os detalhes! 

Muitas vezes a diferença entre uma roupa informal com cara de quem acordou atrasada e uma considerada “na moda” é um cinto, uma barra da calça ou das mangas da camiseta dobradas, uma faixa no cabelo, uma munhequeira bem colocada, a coordenação entre o formato da camiseta/alças/decote e o do top embaixo, entre outras. Para essas o Pinterest salva. Escolhe um item, mesmo que você ache que não tem nada a ver com moda, como botas de trilha, luvas de esqui e coloca lá. Vão aparecer fotos legais, com sugestões interessantes de uso.

6 – Tenha os acessórios em cor neutra!

Meias, luvas, cinto, munhequeira, faixa de cabelo, cachecol, gorro, esses itens eu hoje em dia tenho todos em preto e/ou cinza. Facilita, ninguém repara que você usa o mesmo todo dia, e combina com tudo.

Um cachecol ou outro numa das suas cores escolhidas vale também! Mas tenha o básico e se for ser minimalista à risca, só o básico.

Eu confesso que depois de fazer essas modificações, minha vida ficou mais simples, escolher roupas de manhã sem ter que pensar nas diversas atividades do dia e saber que qualquer uma vai servir para todos os casos; poder jogar na mochila quaisquer 5 camisetas e duas calças e saber que todas combinam entre-si; me sentir melhor, mais bonita e apresentável sem sofrer pra isso, são só algumas das vantagens que eu vi.

Ainda tenho algumas peças muito boas e que fogem à essas regras e uso bastante, como meu casaco impermeável vermelho, porque ele é ótimo e sou contra trocar estando bom. Vermelho e azul não ficam ruins, então vamos nessa. No dia que estragar, aí eu repenso. Essas conclusões e aprendizados vão muito além da moda, geram um pensamento em torno de sustentabilidade, meio-ambiente, e bem estar pessoal, independentemente da moda que muda toda semana. Quem sabe não te inspira também!

 

 

 

My life on the road

Esse fim de semana passado eu terminei de ler My Life on the Road, da Gloria Steinem. Eu já tinha lido pequenas coisas dela e já conhecia o nome, afinal, ela é uma ativista e tanto e uma das referência quando se fala em luta por direitos e questões de gênero. Esse livro faz parte da lista de leitura indicada pela Emma Watson no Goodreads, parte do programa pessoal dela de estudos de gênero e da iniciativa da ONU #HeForShe.

Mas o que me levantou a curiosidade a princípio foi a possibilidade de ouvir de alguém nômade, como foi essa vida na estrada. Muita gente já me questionou sobre minhas escolhas, sobre estar com 31 anos e ter feito 8 mudanças de casa, 3 de cidade, 2 de país, 1 de continente e estar com a próxima (de país de novo) agendada para o mês que vem. Nesse processo também já tive tantos empregos que minha carteira de trabalho zerou, se for contratada no Brasil de novo tenho que tirar uma nova, todas as páginas estão preenchidas. Isso fora os freelancers, traduções, aulas particulares, projetos, bolsas, voluntariados, etc, que me acompanham desde os 18 anos.

Já vi o olhar preocupado de familiares, já recebi carta dramática de amiga, já ouvi de ex-chefe que ia mudar “logo agora que você arrumou a casa toda, fez até chá de cozinha e tá com tudo tão organizado?”, já vi amiga surtando com minhas blusinhas pra doação dizendo que eu era louca de me desfazer de “tudo mais bonito que eu tinha”. De todos, já recebi muitos olhares saudosos! E de todos já senti muitas saudades! Já fiz também muito skype, já aprendi a viver com menos, já conheço os lugares pra comprar um novo edredom e jogo de cama mais barato, e muitas situações pouco usuais às vezes se tornam cotidianas, como ficar sem travesseiros, sair pra comprar e não achar no dia, improvisar e de repente me tocar que vivo a 11 meses sem travesseiro e não faz falta!

Por tudo isso e mais um pouco, quis ler da Gloria, como foi a experiencia da estrada dela. Foi bem diferente da minha, e ela nem sempre dá os detalhes sobre onde dorme, mas eu encontrei lá muito mais do que a história dela na estrada. Encontrei uma semelhante. Alguém que já está na parte final da curva e que portanto pode dizer, eu vivi a vida toda assim e deu certo. Alguém que ao contar sua história conta junto a história de um movimento, de um país, de uma geração. Tudo isso, já faz valer a leitura mil vezes.

Mas o ponto mais incrível pra mim de toda a leitura não foi nem (só) a questão de gênero e nem a estrada, mas foi a vivência de democracia dela! Eu fui envolvida com movimento estudantil, fui representante de turma, fiz parte de conselhos em tudo o que já participei na vida, e cada dia mais só me decepciono! Acho cada vez mais difícil encontrar pessoas abertas ao diálogo, esses supostos espaços de conversa viraram só espaços de ataque e na internet então nem se fala! Mas na vida dela eu li um relato bonito, duro e cheio de batalhas, mas com lições muito importantes. Lições que me levam a crer que não é o mundo ou a  humanidade que estão perdidos, é o sistema e a forma como vivemos.

Tudo o que eu queria é que cada ser humano pudesse entender e vivenciar uma verdadeira roda de conversa, estilo povos nativo-americanos, e recebesse no final um abraço. Quem sabe assim, talvez…

my life on the road

Big Little Lies

Apesar do texto ir ao blog na terça, hoje é sábado. São quase 18h e eu estou atônita, olhando para a tela do meu computador depois de terminar de assistir Big Little Lies, sem saber o que pensar, o que sentir, além de que eu queria muuuuuuuuito nesse momento dar um abraço bem forte em todas as mulheres que eu conheço e dizer “Você não está sozinha! Está tudo bem!”

Eu não vou dar spoilers, e peço a gentileza que não deem, caso deixem comentários, mas recomendo fortemente que assistam! Especialmente se você for mulher. Não é um seriado leve. É forte, os temas são pesados. Mas fala muito profundamente com o âmago da realidade de ser mulher. Mesmo que seja de uma mulher linda, rica, californiana.

Esse seriado é extremamente relevante, embora possa não parecer a princípio, porque fala de algo que hoje em dia é norma: a falsa realidade, a vida aparente. Lembre-se sempre, sempre, que todas as pessoas do mundo, apesar das fotos de viagens, comidas lindas e gostosas, amorzinhos sem fim e tudo o mais que o facebook, instagram e mídias sociais representam hoje em dia, todos são humanos! E todos nós levamos uma bagagem bem pesada nas costas!

Algumas bagagens são mais violentas, outras mais amorosas, algumas mais sofridas em silêncio e outras aos berros, mas todos nós temos uma bagagem enorme. E todas as mulheres apendem desde cedo a sorrir, serem bonitas, apesar de, e justamente porquê possuem, suas bagagens.

Tratem as pessoas com amor, a gente nunca sabe o quanto o outro precisava daquele abraço, daquele elogio sincero, daquela pausa pro café, pra desabafar, pra sentir confiança em contar com o outro. E mulheres, minhas irmãs, sejam mais solidárias! A gente sabe o quanto cada uma sofre, e sabemos que por trás de cada sorriso existe muuuita bagagem! Vamos nos olhar nos olhos de forma a ir além dos sorrisos, e dar amparo à alma! É tudo que ofereço e peço!

De quebra, assista quando puder. São 7 episódios de aproximadamente 1h cada. Veja na ordem. Não veja o sétimo antes de nenhum outro. Você só respira aliviada nos últimos 10 minutos. Até lá, perceba na maldade humana o reflexo de outras maldades, e perceba que os ciclos não se rompem sem muito amor, muito apoio e muita sororidade!

Ah sim, aproveita e baixa também a trilha sonora, vale a pena!

Aproveito pra deixar aqui essa dose de amor bem nessa semana que completei meus 31 anos. Sim, eu amo ser uma mulher na casa dos 30! E sinto que ficará cada vez melhor! ❤

bll cafebll

 

Outono

Tiro o casaco impermeável, mas fico com preguiça de tirar o gorrinho da cabeça. Passei o dia todo com as botas de caminhada nos pés, embora tenha saído só um pouco pela manhã e uma voltinha com o cachorro à noite. As meias que vinha usando já me parecem finas nos pés, oferecendo pouco volume entre meus dedos e as palmilhas, que ao caminhar esfriam rapidamente, apesar das solas grossas da bota. Ao tirar as botas os pés esfriam rápido demais, apesar das meias frias. No meia da tarde fui revirar meu saco de meias e puxar para o topo as meias grossas de inverno…

Coloco a xícara de chá na mesa. É a terceira do dia. Pela manhã tomei rooibos com framboesa. Após o almoço uma infusão de hortelã e agora à noite uma de camomila. Quando sentei para ler um pouco, no fim da tarde, me enrolei na manta peruana que mora no sofá. Conseguia sentir nos braços a na parte da baixo das canelas a diferença térmica das coxas e abdômen, aquecidos pela manta e o resto não. Ainda não é tão frio, não estou de casaco em casa, não tremo de frio sem essa roupa toda, mas a manta, o cachecol e o gorro me dão aquela relaxada extra, que só um toque morno, de carinho, de massagem, de amor, nos trazem. É outono.

Não oficialmente, ainda claro! Essa mudança oficial chega essa semana, mas o outono chegou uns dias antes, pra já ir avisando à que veio. Essa noite chegaremos a 0ºC na madrugadinha. Depois ainda vai esquentar um pouco, até o fim da semana o sol abre um pouquinho, entre nuvens, e ficaremos entre 22º e 8º, mas hoje a máxima foi 18º, com chuva fina, céu cinza. Mas não é o cinza que dói, que desanima. É o cinza mais caloroso que eu conheço. Aquele clima que faz a gente ficar feliz de estar junto, aconchegado no sofá, debaixo das cobertas! É o clima perfeito pra dormir de conchinha, pra ver filme debaixo das mantas comendo pipoca recém-feita, pra abraçar o cachorro e cochilar depois do almoço, sentindo o calor que emana de cada outro ser dentro da casa.

O outono pra mim é amor! É a estação mais calorosa! É quando estar junto é mais gostoso, mas não indispensável! No verão é quente demais para ficar tão junto, tão perto. No verão, quando o suor se mistura é por pouco tempo, e existe um calor que vem de fora, que nos faz precisar de um espaço, físico, mental e emocional para não derreter, sucumbir sob o mormaço. O inverno é quando estar junto é sobrevivência. É um tempo muito estéril, de muita reflexão, de mente solitária, ativa, afiada como o gelo sob a neve. O estar junto, quando possível, não é escolha, é necessidade. A primavera é quando a gente ganha a independência, e embora estar junto ainda não seja tão desafiador quanto durante o verão, já é possível estar longe e depois do longo inverno nada melhor que sair por aí, andar, respirar o ar fresco, e tomar o sol morno, ver as flores surgirem.

O outono não, não por acaso o mundo fica amarelo, laranja e vermelho. As luzes e as cores representam esse calor, tão humano, tão animal, tão do aconchego, tão do outono. As mãos agradecem a xícara de chá quente nas mãos, as orelhas agradecem o gorro na cabeça e os pés ficam gratos pelas meias grossas. Mas ainda não é necessidade, sobrevivência, é amor, afago, aconchego! É quando tudo fica propício para o carinho e o cafuné, uma conversa um volta da fogueira, uma lareira, um chocolate-quente.

O gorro finalmente sai da cabeça e as botas dos pés, quando com uma mão vou despindo-os e com a outra bato no teclado, pois é dia das palavras saírem. o chá já acabou, e a louça ainda precisa ser lavada. Com água morna. O cabelo só vou lavar amanhã. Começou aquela época da minha predileção de banhos no meio do dia, quando ainda é quente e não preciso do secador.

Ah, meu querido outono, que bom que você chegou! A gente vai se amar muito nesse aconchego de carinhos e cores mornas, enquanto a chuva vai acalmando os ânimos lá fora, limpando as farras do verão, e preparando o mundo pra neve do inverno. Enquanto isso os livros, os chás, os chocolates, as pipocas quentinhas vão se tornando tão especiais! Ler um livro debaixo das mantas passa a ser o melhor hobby do mundo, e o banho morno devolve a sensibilidade dos dedos dos pés e das mãos, transformando esse simples hábito higiênico diário em mais um ato de auto-amor!

Agora vou para minha ducha quentinha, e o pijama vai ser completado com as meias grossas e um casaco molengo bem enrolado no corpo. Depois quem sabe, mais um chá ou um chocolate-quente antes de dormir.

Vem, outono! Vamos se amar muito! ❤

Ferrante

Mês passado eu li a Série Napolitana da Helena Ferrante, primeira obra dela que leio. São 4 volumes que me absorveram e consumiram por completo. Ainda tô tentando digerir. Às vezes me pego pensando, me inspirando. De tudo, o que mais queria dizer é, obrigada! De tudo o que mais sou é grata por poder ler tal obra.

Os quatro volumes, que inspiram ares de uma longa saga, não poderiam estar mais distantes de todas as sagas heroicas que li e reli com tanto gosto e afinco na vida, e ao mesmo tempo nunca me senti tão inspirada por uma saga. Ferrante é mulher. Primeiro e acima de tudo! Depois é escritora, de porte e renome, e de uma escrita que só posso definir como verdadeira. Nessa obra, escrita entre 2012 e 2015, Helena nos presenteia com um relato detalhado de sua vida, já de uma perspectiva da autora idosa, podendo assim falar de começo, meio e ares de fim, numa história auto-biográfica com gostinho de auto-ficção.

Depois de terminar os quatro volumes só conseguia pensar, obrigada! Obrigada por me mostrar que ser escritora é mais que ser brilhante. Que a literatura é mais do que as sagas heroicas. Obrigada por ser mulher! Obrigada por me mostrar que ser mulher é viver uma saga heroica, digna de muitos volumes.

O estilo de escrita é ao mesmo tempo delicado, feminino, visceral, sujo, cheio de confissões, revelando medos, paixões e destinos. Helena nos mostra que ela é sim, ao mesmo tempo brilhante e como qualquer uma de nós. Nos mostra que mesmo uma ativista feminista, que escreveu e debateu sobre a situação da mulher ainda nas décadas de 1960 e 1970 na Itália, pode ser vítima de relações abusivas e más escolhas amorosas.

Helena nos mostra que criar filhas e ter uma carreira foçam a mulher a decisões dificílimas, que são tomadas sempre muito sozinha, mas cujos resultados são duramente julgados pela sociedade, pelos homens. Mostra também que “bons” homens não são necessariamente “bons” pais. Que intelectualidade não é sinônimo de inteligência emocional. E que as violências psicológicas impactam tanto a vida quanto às físicas.

Mas Helena mostra também que temos essa força para seguir a vida, a pesar, e por causa de tudo isso. E que as consequências são isso, consequências. Boas ou más é um julgamento individual, dos que conosco convivem e sofrem as bençãos e desgraças dessas consequências.

Ela nos mostra que tentar agradar é falhar. De ante mão! Sempre. E que ser “bem-sucedida” é um conceito tão vazio e vago quanto um pântano cheio de neblina. Família é um conceito abstrato, que se confunde com amizade, origens e empatia. E que ao longo da saga que é a vida de cada um de nós, as mesmas personagens assumem papeis diversos, de heróis à antagonistas, cada qual por sua vez. E aqui a protagonista não é protegida. Não existem os “bons” e os “maus”, existem nós. Todos nós.

Me chocou a violência doméstica estatizada italiana. Que incluí de estupros dentro do casamento à crianças defenestradas em surtos de raiva dos pais. Incluí também violências mais delicadas, como competições entre amigas e irmãs, desde por notas escolares e carreira profissional até namorados, maridos e amantes. A falta de sororidade é proporcional ao nível de violência machista. Acaso? Duvido, e Helena também.

Me choca também o desligamento do conhecimento acadêmico e da elite intelectual com o povo, às necessidades reais da sociedade e capacidade de comunicação bastante desgastada, se é que algum dia ela existiu de fato, entre os grupos. Seja quando ela relata a própria experiência acadêmica e a relação de desaprovação de seu trabalho em comparação inversa com a apreciação do público em geral pelo seu trabalho publicado. Seja entre os militantes partidários de esquerda bem estudados e os trabalhadores sofrendo as violências diárias nas fábricas. Seja entre o discurso do “bom moço” e suas ações práticas no trato com as mulheres.

Então, o que aprendi com Helena é que a vida é uma saga onde ninguém é herói, onde alguns conseguem tudo com pouco esforço, por nascimento ou influência e outros perdem sistematicamente tudo o que conseguem com muito esforço. Mas que no final, nem isso importa. Que se queremos algo devemos fazer nós mesmos, e que família são os amigos que construímos no caminho, assim mesmo dadas proporções. E que em meio a toda essa vasta solidão, basta amarmos a nós mesmas e seguir confiante. O não já temos, então por que tanto medo de tentar o sim?

Obrigada, Helena!

 

Saúde

Há uns tempos atrás uma amiga muito querida me pediu/sugeriu escrever um post sobre saúde. No começo resisti muito, pois não sou nada da área de saúde e não posso ficar dando conselhos sobre isso por aí. Mas depois reli a sugestão dela e me veio na cabeça escrever sobre o que sempre escrevo: sobre mim! Sobre minha experiência, minha história, meu diário.

Vou contar um pouquinho do meu histórico aqui: nasci prematura, de 7 meses, pesando pouquíssimo mais de 1kg, para o desespero da minha mãe. Mas não tive nenhuma sequela. Na verdade, menos de 12h depois do meu nascimento, já não precisava de nenhum cuidado especial, nem os que normalmente crianças de 9 meses precisam. Mas não conseguia me alimentar. Fui alimentada por sonda por 45 dias, com leite materno, da minha mãe e de muitas mães de leite que eu tive!

Esse fato poderia ser irrelevante não fosse o detalhe que ele provocou na minha mãe e na minha avó: as obsessões alimentares. Ambas sofriam de anorexia, não diagnosticada, mas bastante óbvia se acompanhada de perto. Acho que quando eu nasci ainda não sofriam, ou não estavam em período de crise, mas ambas tinham problemas com depressão, ansiedade, minha mãe teve em diversas ocasiões crises de pânico, e no final da vida de ambas a anorexia se tornou evidente.

Desde sempre lembro de minha avó fazer comentários um tanto quanto maldosos sobre o peso, dela, meu, de primas, da minha mãe, e outras pessoas. Então creio que mesmo que não estivessem sofrendo com o baixo peso excessivo naquele momento, o tópico dos transtornos alimentares sempre esteve ali, rondando, sabe?! Mas o fato de eu ter nascido prematura e muito pequena teve um efeito, positivo ou negativo é discutível, e ambas me empanturraram de comida na infância: óleo de fígado de bacalhau, Biotônico Fontoura com sementes de sucupira mergulhadas, pernas de rã (que eu não gostava), rins (sempre odiei), foram uma infinidade de suplementos famosos na época que fizeram parte da minha dieta.

Resultado: aos 8 anos deixei de ser a menininha magrela que tinha sido até então e entrei numa fase mais cheinha, que demorou pra acabar, e que se de um lado me superalimentavam, de outro faziam os comentários ácidos sobre peso e aparência, e isso gerou uma pré-adolescência bastante sofrida em termos de auto-imagem corporal. Isso vem, pra mim, do lado negativo.

Do lado positivo, vem a combinação de uma mãe hippie e uma avó criada em fazenda. Sempre comemos tudo feito em casa, com muuuuuita fruta, pomar em casa, horta, muita verdura, muita planta. A sobremesa de segunda a sexta era fruta. Durante as refeições só água. Sucos como lanche da manhã ou tarde. Nada industrializado. Nos fins de semana, às vezes um refrigerante ou uma sobremesa feita de chocolate, leite condensado, essas coisas, mas eram eventualidades. Nunca me foram proibidos, mas foram desencorajados. Até porque, lá em casa, o que era visto como relíquia, tesouro, algo a ser desejado, era uma boa goiabada com queijo de fazenda, doce de fruta em calda, pudim de leite, ou ambrosia goiana (a versão da família da minha avó, o famoso “doce de ovos”, era muito melhor que qualquer ambrosia que já tenha comido fora de casa!).

Com minha mãe veio o hábito das vitaminas, abacate, castanhas do pará (ou do Brasil, como tem sido chamadas), leite de soja. Além da babosa no cabelo, cultivada em casa (o famoso aloe vera), o creme de abacate no cabelo, o chá de camomila no meu cabelo loiro da infância, o óleo de uva na pele, e essas coisas que hoje em dia estão sendo consideradas o máximo em termos de produtos de beleza orgânicos e naturais, e que na minha infância eram apenas os reflexos hippies de quem acreditava num mundo mais natural e ao mesmo tempo não tinha grana pros produtos industrializados. Aliás, minha mãe ficaria entre o irônica e furiosa com os preços cobrados hoje em dia por uma vitamina de abacate ou um xampu de aloe vera.

Mas essa mistura me fez crescer num ambiente que foi marcado por uma alimentação saudável, em sua maior parte, e por pessoas que evitavam correr para os remédios convencionais. Minhas dores de ouvido eram tratadas com compressa de farinha de mandioca, e a dor de garganta com chá de gengibre, cravo e canela que dava suadouro. A tosse do inverno com café com uma colherinha de manteiga e mil outras crendices, que sem entrar na discussão de se funcionavam ou não, se são respaldadas pela medicina atual ou não, de fato, fizeram com que eu crescesse bem, saudável, com peso e altura sempre muito elogiados pelos pediatras e sem me entupir de remédios. Aliás, remédios eram vistos como última instância, e mesmo assim, na maioria dos casos, homeopáticos.

Eu cresci então com essa visão, mas só anos depois, e bem recentemente, percebi o impacto real dela em mim. Até hoje tenho mania de tentar resolver e definir tudo pela alimentação e hábitos relativos ao sono, controle do estress, cansaço, etc.

Em outros pontos a criação não ajudou muito. Embora meu avô tenha insistido que aprender a nadar era uma questão de sobrevivência, e antes dos 2 anos eu já nadasse sozinha e sem boias, numa piscina que não dava pé, e tenha feito natação até os 18, a prática de atividade física regular não era uma coisa vista como essencial. E demorei muito pra encontrar um jeito de manter o corpo em movimento na vida adulta que eu gostasse. Sempre odiei os esportes competitivos. É uma visão bem pessoal.

Mas o resumo é que nunca fumei, muitos em minha família fumaram e eu odiava com todas as minhas forças. Bebi muito pouco, em uma breve fase que logo abandonei, e agora já completo anos sem álcool. Nunca, Jurema? Nunca, nem uma tacinha, nem às vezes. Não!

Então, para falar de saúde, primeiro tenho que deixar isso claro. Nunca usei aparelhos dentários, nunca tive cáries, nunca fiz cirurgias, nunca fumei, não bebo uma gota há anos, não uso drogas e entorpecentes de nenhum tipo, cresci com uma alimentação bem saudável, que vem se tornando cada vez mais. Não como carnes de nenhum tipo há anos também. Sempre bebi muuuuuuita água, e chás!

Com meu marido, aprendi que o chá muito quente pode fazer mal ao estômago, por danificar aos poucos a mucosa, com o líquido muito quente. Fui pesquisar e descobri que é por isso que as xícaras de chá orientais não possuem local para segurar afastado do copo. Se estiver muito quente para segurar com a mão cheia, não deve ser ingerido, e passei a adotar a técnica. Só bebo o chá quando consigo segurar a xícara com ambas as mãos por pelo menos um minuto sem sentir incômodo.

Sempre que me sinto mal, o que não é frequente, analiso bem minha situação emocional, as mudanças de vida, a alimentação, e tento trabalhar isso antes de recorrer a remédios. Aprendi com o tempo os efeitos que o clima tem em mim, não lido bem com o calor forte, especialmente o mais úmido, tenho respeitado mais minha digestão, e meu corpo, meus horários naturais de sono, de ir ao banheiro, etc.

Algumas coisas e pessoas foram e são fundamentais nos meus processos de auto-conhecimento e saúde. Um dos que mudou minha vida foi um nutricionista, de Brasília, que me ajudou na transição para o vegetarianismo, e também me ajudou muuuuuito com auto-conhecimento. Foi uma das pessoas que mudou minha vida. Outra foi uma médica homeopata em São Paulo, a única que resolveu depois de 17 anos, meu problema com cólicas menstruais. Dos 12 aos 29 sofri horrores com cólicas, com mil histórias tensas, de ter que ir da escola para o hospital, de tomar superdose de medicamentos para cólica, enfim, sofrimentos variados, e infelizmente, considerados normais, por muitas mulheres. Há 2 anos e meio não sinto mais cólicas debilitantes, minha menstruação não é mais um período temido e sofrido, e embora às vezes ainda tenha cólicas leves, aprendi como resolvê-las e aprendi a me respeitar nesse período, me recolhendo mais, e respeitando minhas necessidades de descanso e paz!

Outra coisa que mudou minha vida e minha relação com meu corpo foi o Método DeRose! Pratico desde 2014 e cada vez aprendo mais, gosto mais, descubro mais. Ainda falta muito nessa jornada, mas nem consigo enumerar aqui tudo que ele me trouxe de bom, não só em termos de saúde, mas de autoconfiança, desenvoltura, e muitas, mas muitas ferramentas, pra lidar com o dia-a-dia, com minhas emoções, com a vida em geral.

Eu não sei se consegui, com esse post, responder pra minha amiga Nay como cuido da minha saúde, mas é isso aí. E sinto que ainda tenho tanto pra mudar, tanto pra aprender! Cada mês é uma nova descoberta sobre como lidar comigo mesma e com os outros. E me sinto cada vez melhor!

Vivendo com pouco e aprendendo com muitos

(Texto de junho/17 – adiantamento por motivo de férias em julho!)

Estou aqui aproveitando uma semana de chuva, longe das minhas caminhadas, e já que estou indoors sigo com os outros projetos, muita leitura, muitos post escritos adiantados, muita escrita e pesquisa. Em julho faremos uma viagem longa, de carro, e ficaremos sem wi-fi por mais de duas semanas. Na volta contaremos aqui sobre tudo e certamente teremos muuuuuuitas fotos! E mais pra frente, até o final do ano, estamos com outros projetos que não sei classifico de ambiciosos ou despretensiosos. Contraditório? Sim! Fato é que queremos botar o pé ainda mais na estrada e viver “on the road” por um ou dois anos, quiçá mais, veremos.

Com esse plano, estou procurando tudo que posso sobre van, modificações, e todos as peculiaridades de uma vida ao ar livre. Já demos um upgrade nos equipamentos de camping, fogareiro, panelas, bolsa “geladeira”, e coisas assim. Agora estou selecionando lanternas, lampiões e ventiladores com recarga USB, e outros detalhes da vida nômade.

Nesse processo tenho me deparado com inúmeros blogger e vlogger que falam sobre suas diversas experiências, algumas nômades, outras não, mas todas certamente fogem do que hoje em dia chamamos de estilo de vida tradicional.

Por isso, enquanto não começamos nossa saga aqui, vou deixar algumas indicações das nossas pesquisas pra vocês lerem, assistirem e acompanharem também!

Um que me chamou muito a atenção foi a Jo Nemeth, australiana que atualmente vive sem dinheiro. O blog dela, o Jo Low Impact, está todo em inglês, mas é possível ter um resumo em português nesse artigo do The Greenest Post. O que eu mais gostei do blog da Jo é que ela mistura suas reflexões pessoais nos textos junto com as explicações de como tem sido essa vida sem dinheiro e de baixíssimo impacto ambiental. O estilo da escrita mostra como ela reage emocionalmente a todas as mudanças e é algo que me agrada.

Outro que super recomendo é o Livre Partida, da Mari e do Plácido. Eles estão fazendo uma viagem de volta ao mundo, em vários estilos. Já mencionei aqui o blog deles antes, recomendo seguir também nas redes sociais, FB e Insta, além do canal no Youtube. O que eu mais gosto no blog deles, além das fotos e vídeos incríveis, é que eles colocam toda a contabilidade deles lá, até o cafezinho, e com isso todos podem ter a ideia exata de com quanto dinheiro eles estão fazendo essa aventura. O lindo disso é que quem também quer se jogar na estrada pode ter uma noção muito boa de quanto vai gastar, caso siga o mesmo estilo. Outra coisa que amo nos posts e vídeos deles é a oportunidade de aprender com os erros e sucessos alheios. Eles são muito francos e honestos quando é para dizer o que não deu certo, seja equipamentos que compraram e não utilizaram, ou não gostaram, planejamento, ou qualquer outra coisa. E claro, pode confiar sempre que eles dizem que é bom e que deu certo, porque a honestidade e a alegria são sinceras!

Um outro blog que eu achei no pinterest é o Apure Guria, da Angie, uma designer com muitas cores de cabelo que faz viagens sozinha e dá dicas ótimas, além de ser muito alegre nos vídeos dela. As dicas dela são muito práticas e eu gosto muito dos vídeos dela de dicas, tipo 10 coisas para não esquecer de levar, Como arrumar uma mala internacional e outros do tipo, mas o que eu achei mais divertido é que ela também inclui os do que não levar! Então também é possível aprender com ela coisas que ela achou supérfluas, desnecessárias, etc! Gente, a vida é muito curta pra gente aprender tudo por tentativa e erro solitários né, vamos aproveitar que a comunicação global é algo ao alcance de muitos hoje em dia e fazer valer! Além disso ela também é adepta do “travel light”, um estilo que sempre buscamos aprimorar!

Existem milhares de outros sites e pessoas que acompanho, e já postei aqui em Dicas de Viagem, outros sites e páginas com dicas muito boas!

 

Verão

{*texto escrito em 01/07/17 }

Saí para passear com o cachorro. São 20h30 da noite. Ou melhor, da tarde. O sol não se põe antes das 21h30, 22h e não ficará totalmente escuro antes das 22h30 quase 23h. A saída nesse horário é para tentar evitar o calor mais forte. Andamos até o parque, e eu sinto o cheiro da areia, que outros animais domésticos usam de banheiro. Veja bem, o parque é limpo, existe uma norma passível de multa para que os dejetos sólidos animais sejam recolhidos, que na maioria das vezes é cumprido. Mas o dia está quente, e quando o Picot rasga nacos de grama com as patas traseiras eu sinto o cheiro dela, misturado a tudo isso.

Dali vamos até a beira do rio. O sol já está bem inclinado e bate exatamente na linha dos meus olhos. Apesar dos óculos de sol bem escuros, sinto aquele franzido da testa, e em momentos fico cega com o excesso de luz, até fazer uma curva e conseguir voltar a enxergar. Passamos ao largo de um pequeno pasto, e todos os cheiros são encobertos pelo que emana dali. Começo a perceber a quantidade de insetos no ar. Eles batem nas lentes dos óculos, e preciso me abanar com frequência!

Chegamos enfim a beira do rio e percebo um distinto cheiro de peixe. Não de peixe morto, de carnes. Sim o cheiro de peixe vivo, cheiro de água onde vivem peixes e patos. Água fresca, corrente. Mas é obviamente verão e o cheiro do rio está ali, pairando no ar.

Quantas vezes não caminhei nessa beira de rio no inverno e nunca percebi nenhum cheiro de suas águas? O inverno, nesse sentido, é estéril. As águas são cristalinas, geladas, mais puras, e com menos vida. O ar no inverno é claro, e vejo distante. Os dias podem ser de sol, mas ele dificilmente esquenta de fato, e é possível caminhar sob ele por horas, sem sentir cansaço, calor ou fadiga excessiva. Eu gosto da esterilidade do inverno. Me dá a sensação de estar numa fotografia, ou num filme, onde a paisagem e eu, por mais que possamos interagir, nos mantemos como em dois planos. A neve brilha sob o sol como glitter, purpurina.

Essa semana me perguntei se precisava trocar o grau dos óculos. Sinto o mundo mais borrado. Talvez precise mesmo, mas me ocorreu hoje, ao andar na beira do rio, como o ar está mais denso. A cortina de insetos parece ser o próprio verão se materializando no ar, condensando de tão cheio, viscoso, excesso de vida. Vida até demais.

O verão daqui, por dividir o ano com outras três estações, parece mais intenso. Parece requerer que seus meses sejam só seus e que ninguém se esqueça disso. No Brasil, em especial em Brasília, onde só existe seca e chuva, o verão parece eterno. Eu sei, existem as frente frias, mas elas são raras e duram pouco, e ele parece se espichar pelo ano, como um chiclete sendo puxado e afinando. A parte presa entre os dedos, a mais grossa, são os meses de verão por direito, mas o verão de fato ocupa todo aquele fio repuxado. E assim, esticado, o sol é mais alto, a luz é mais branca, e as pessoas parecem aceitar que o verão, estando sempre ali, não precisa se mostrar o tempo todo.

Aqui o sol, isso tanto no verão quanto no inverno, parece nunca estar a pino. Sempre ali, próximo da linha dos olhos, me fazendo repuxar o cenho. Mais amarelo no verão, como se disse, “olha só essa cor, eu sou o verão!” Como se fosse um verão atuando como verão numa peça de teatro. As pessoas saem de casa, as banquinhas de sorvete de multiplicam pelo passeio da cidade e eu fico me perguntando, “onde vocês estavam?”. A sensação que tenho é que aqui as pessoas migram como andorinhas.

As roupas mudam muito de uma estação para outra, e não adianta insistir, as botas de verão serão inúteis no inverno e vice-versa. Me acostumar com a necessidade de momentos tão distintos é uma novidade às vezes custosa. As calças de inverno não servem pra primavera e as de primavera não servem no verão. As pessoas subitamente estão todas de vestidos esvoaçantes, shorts coloridos, camisas de mangas curtas em tecidos translúcidos. Riem nas ruas, falam alto, e os restaurantes não fecham antes das 2h da manhã.

Quando o calor é tamanho, deixo para sair com o Picot ainda mais tarde, às 23h, meia-noite, encontro senhores e senhoras de avançada idade, sentados ao redor da fonte do passeio, se abanando com folhas do jornal do dia, ou leques, e papeando. Próximo dos bares, todos com as mesas colocadas para fora, nas calçadas, o barulho é alto, e famílias inteiras se estendem pela calçada, comendo, bebendo, existindo.

Ao cruzar uma dessas calçadas, duas irmãs, vestidas igualmente e armadas com pistola d’água me atingem no fogo cruzado. Ouço em parte, em catalão, o pai fazer meias desculpas enquanto insiste que nesse calor é melhor assim. Sorrio e passo. A água não incomoda, de fato é bem-vinda. O que me incomoda é o calor que não vai embora. É voltar para casa e perceber como dentro está mais quente ainda do que fora. É ficar parada ao lado da porta da sacada, escancarada e perceber que a leve brisa, um pouco mais fresca, que sopra lá fora não entra, como se negasse meus convites e apelos.

Vou até a geladeira e pego um picolé. Sento na sacada, no chão, de pernas cruzadas, ao lado do Picot e observo essa cidade cheia de vida. Vida até demais. É quase impossível dormir antes das 3h da manhã, com o barulho das pessoas na Taverna em baixo, que mesmo depois de fechada, ficam pela praça, terminando a conversa. Lembro que no inverno, a cidade parecia uma cidade fantasma. Como é estranho pra mim, quase alienígena, observar esse movimento entre estações. Como é curioso perceber como o ser humano se acostuma e se adapta.

Termino o picolé. Jogo palito e embalagem em seus respectivos lixos. Aqui tudo é reciclado. Decido que um banho antes de deitar vai me ajudar a dormir, apesar do calor. Lembro que na primavera os campos ficaram floridos, e que agora tudo começa a apodrecer, nesse excesso de vida. Ainda não sei como será o outono. Mas posso dizer que as 4 estações até agora foram assim, um inverno muito estéril, e muito bonito. Uma primavera de desenho animado, com campos floridos e cheia de vida e partos, milhares de animais com filhotes. Manhãs e noites frescas e dias muito quentes. E o verão é assim: um excesso! Muito tudo. Muita vida. Muitos cheiros. Muitas cores. Muito sol. Até demais!