Bela Watson

Eu cresci apaixonada pela Bela, da Disney, do filme A Bela e a Fera, de 1991. Desde que vi o filme me identifiquei profundamente. Minha barbie favorita era a Bela (versão vestido azul, camponesa), com um livro na mão. Pra mim ela será sempre a não-princesa, lembrando que ela é camponesa, que amava ler e conhecer coisas novas. Amava o pai e nunca teve medo da Fera. Pra mim ela sempre foi sinônimo de liberdade!

Nos últimos anos comecei a ver muita gente fazer a crítica e levantar a questão da Síndrome de Estocolmo, onde o sequestrado se apaixona pelo sequestrador, numa alusão de que isso era o que tinha acontecido entre a Bela e a Fera e que romantizar isso é romantizar um abuso. Essa visão sempre me incomodou um pouco, mas aceitei a crítica, achando que o incomodo poderia vir justamente da minha dificuldade em desconstruir meus símbolos de infância,  afinal, eu também cresci vendo Disney.

Ano passado a Emma Watson anunciou que faria a nova versão do filme, A Bela e Fera, também Disney, uma releitura que promete ser fiel à animação de 1991. Amei! Já sou fã da Emma pelo trabalho com Hermione, outra personagem com a qual me identifiquei profundamente na adolescência, a menina inteligente, bookworm, que não leva desaforo pra casa, e ainda luta pelas questões sociais (leia os livros e descubra a atuação dela na libertação dos elfos domésticos da situação de escravidão).

Alguns blogs e páginas que eu sigo vieram com a crítica. Que eu acho sempre válida de ser feita, especialmente para não aceitarmos o peso da influência Disney sem questionamentos. Criticaram a Emma por aceitar o papel, iludindo milhões de fãs, que já a admiram pelo papel de Hermione, no papel de Bela, a menina bonita da vila, que sequestrada pela Fera, aceita um relacionamento abusivo (a Fera além de prendê-la, grita, faz exigências e etc), em troca de uma biblioteca e da esperança que ele mude. Essa crítica me incomodou de novo. E de novo, achei que fosse porque eu precisava rever meus próprios preconceitos, machismos e me desconstruir.

Li também a crítica à Watson pelo fato dela ser a representante da ONU Mulheres no programa He for She, que busca aumentar a consciência das mulheres e homens para a questão de gênero e fazer ações concretas para melhorar a situação da mulher no mundo, especialmente superando a violência doméstica e aumentando o acesso das mulheres à educação e conhecimento, e ainda assim aceitar ser a Bela, dadas as premissas negativas do filme, a Síndrome de Estocolmo, o machismo, as mudanças de humor e a promessa irreal de mudança. De novo me incomodei e de novo achei que precisava me rever meus conceitos.

Isso ficou me incomodando, lá no fundo da cabeça, da memória e do coração. E vi um meme da Emma, com uma camiseta com uma fala da Hermione: “When in doubt, got o the library”, (quando em dúvida, vá a biblioteca), uma alusão à capacidade da personagem de solucionar os maiores enigmas da saga Harry Potter consultando livros. E foi o que fiz. Só que em vez de livro, fui rever o filme A Bela e a Fera, da Disney de 1991.

Ressalto aqui que fiz minhas reflexões sobre o filme, versão 1991. Não sobre os livros com versões do conto. E explico porque. O livro pode conter outros aspectos, mas a minha influência pessoal foi o filme, que assisti em 1991, com 7 anos de idade. Além disso, o filme 2017 com a Watson é totalmente baseado no filme de 1991 e não no livro. Acrescento que não tinha reassistido o filme nunca mais. Estava com a memória dos meus 7 anos lá guardada. Dado o parêntesis, vamos aos fatos.

Ao assistir novamente a animação ficou claro pra mim os motivos pelos quais tanto gostei em 1991 e que são os mesmos pelos quais continuo admirando a animação ainda mais hoje. Sei que sou muito Bela e muito Hermione e entendo e corroboro a Emma pela aceitação do papel. Desde a primeira fala, a primeira música, a Bela diz que quer mais do que a vida provinciana da vila. Que quer conhecer o mundo. Sua paixão pelos livros não está limitada à leitura per si, mais ao conhecimento que ela trás.  Então vamos aos fatos que o início do filme nos trás: 1. A Bela e o pai não são originalmente daquela vila. 2. Ele é inventor (busca pelo novo e desconhecido) e é visto como louco na cidade. 3. Ele quer vender a invenção na feira para conseguir “uma vida melhor” para ele e sua filha. A parte de se mudar da vila após a venda não está explicitada e é uma interpretação pessoal baseada no que falam. Ressalto ainda que dadas as premissas, eles não sofrem necessidades básicas, e ambos desejam conhecer mais, “uma vida melhor” não diz respeito à questões de renda e sim de um local onde ambos não sejam vistos como loucos, ou diferentes, por querem conhecimento.

O Gaston. Se eu já odiava essa personagem desde 1991, agora só piorou. Ele sim é a representação completa do machista. Além de se achar a criatura mais linda, gostosa e poderosa do universo, o idiota tem um mindset mais fechado que cofre de banco. Ele deliberadamente diz que quer casar com a Bela porque ela é a mais bonita, e portanto ele tem o direito de possuí-la, como um troféu, a trophy-wife, para o maior caçador da região. Isso sem nem mencionar que ele é caçador. Mas mais do que isso, ele menospreza ela, e todos os demais, homens e mulheres, e é completamente incapaz de perceber que ela jamais ficaria com alguém como ele, quiça ficaria na vila, algo que parece muito duvidável. Isso sem falar na menção aos 6 ou 7 filhos e na obrigação de cuidar dele, inclusive com massagens nos pés. E além disso, o desprezo dele pelos livros, os quais ele considera perigosos pois fazem pensar. Ele joga o livro dela na lama, põe os pés imundos em cima e despreza o que os livros representam, o conhecimento e a liberdade, tanto quanto pode.

Gaston se supera e consegue ainda um plano macabro envolvendo pagamento em dinheiro para aprisionar o pai de Bela, como maneira de “convencê-la” a se casar com ele. Sua reação quando descobre a existência da tal Fera é a de caçador, exterminamos e pronto. Quando percebe a afeição da Bela pela Fera e se sente preterido, aí torna o assunto pessoal. Gaston representa toda a intolerância com o desconhecido ao incitar a vila a matar a Fera, além de prender a própria Bela e seu pai no porão para não avisarem a Fera a tempo. Mas lidar com o Gaston é fácil, ele é o vilão. Medíocre como esperado. Violento como esperado.

E assim as críticas recaem sobre a Fera. A Fera é a personagem mais esférica, na minha opinião. Ouvi críticas sobre a inconsistência da animação pois a bruxa amaldiçoa o jovem príncipe, e diz que suas chances de voltar a ser humano acabariam no seu 21º aniversário e depois no filme os objetos/servos do castelo comentam que já estão naquela forma a 10 anos. Para mim isso não é uma inconsistência, é apenas o fato de que não envelhecem enquanto estão amaldiçoados, tanto que o pequeno Chip continua sendo uma criança pequena nesses 10 anos. Além disso há que se lembrar que ele poderia ser bem novo e ainda assim “senhor” do castelo dadas as premissas da época.

Quando foi encantado, o jovem príncipe se recusa a ajudar uma mendiga, acusando-a de ser feia e maltrapilha e por isso ela o transforma em fera hedionda, e ainda por cima faz com que a quebra do feitiço venha apenas quando alguém conseguir amá-lo apesar da forma. Por mais que eu ache que o príncipe estava absolutamente errado, e era um ser arrogante e aristocrático (características redundantes nesse contexto), a bruxa pegou pesado ao incluir no castigo todos os servos, que não tinham nada a ver com isso, e que também ficaram amarrados pelo time frame da maldição. Além de arrogante, o jovem príncipe agora vira Fera, absolutamente solitário e sem ter a menor ideia de como amar alguém ou se fazer amado. Se ele tivesse continuado igualmente arrogante o castelo seria limpo, lindo, apesar de assustador e ele seria uma Fera dominadora. Mas ao contrário do Gaston, sempre com a auto-estima no céu, a Fera duvida de si mesma e do mundo. Como um bicho acuado e seu canto, ainda que esse canto seja um castelo, e com todo o passado arrogante por trás.

Essa dualidade faz dele um ser cheio de mudanças de humor e muita dificuldade de se relacionar, com quem quer se seja, além da solidão crônica. Não acho que isso seja justificativa para seu comportamento arrogante inicial, mas certamente deve ser considerado depois de 10 anos. É fato que apesar da maldição, ele só esperava ser deixado em paz, em sua solidão amaldiçoada.

Quando o pai da Bela entra no castelo, o que não deixa de ser uma invasão, e é bem-recebido pelos servos-objetos, a Fera se torna agressiva, sim, mas como um bicho acuado. Com vergonha e medo de que o vejam, de que saibam de sua existência. E o prende não para diversão própria ou crueldade pura, mas como resultado desse medo e dessa frustração, somados à arrogância anterior.

Mas vamos a Bela. Todos falam de Gaston e da Fera, para explicar os acontecimentos, como se a Bela fosse um ser inanimado que só acompanha os homens da história, pai, Gaston, Fera, quando na verdade ela é o centro e o motivo dos acontecimentos principais. Desde o início Bela se declara enfadada com a vida provinciana e com sede de conhecimento. Ela é segura de si e muito firme, sendo muitas vezes teimosa e autoritária também.

Ao encontrar o pai no castelo ela pede para ficar no lugar dele, e se observado com cuidado, não só para salvar o pai, que como diz já está velho, mas pela mudança. Pela curiosidade. Por mais que uma vida provinciana. Claro que ela chora, e questiona as próprias escolhas, como fazemos todas. E no mesmo momento descobre que o castelo não sera sua prisão, que ela tem liberdade ali dentro e sera servida, apenas a Ala Oeste é proibida. Na primeira oportunidade ela vai até a ala, desrespeitando a regra, por curiosidade e sede de conhecimento. Ao ser confrontada pela Fera, que estava em seu direito de proibir a ida a ala, embora não no direito de aprisionar ninguém, Bela sai do castelo. E ao sair diz “sei que dei minha palavra, mas não posso ficar nem mais um minuto aqui”, e ninguém a impede, nem a Fera. Desconstruindo um pouco a ideia de prisioneira e síndrome de Estocolmo.

Sai loucamente, a noite, numa floresta amaldiçoada, e é atacada. A Fera vem em seu salvamento e quase morre. Ela podia ter seguido para casa daí, mas decide voltar. Talvez por culpa ou remorso, mas acho que também pela gratidão e pela curiosidade. Não só a curiosidade com a Fera, mas com todo o castelo, com todo aquele mundo. E lá fica, e lá descobre aquelas pessoas fantásticas, e, claro, a biblioteca dos sonhos. Nesse ponto, existe, claro, o peso da “obrigação” da Bela de ficar, mas pela palavra dada e não pela força.

Já vi muitas pessoas interpretarem como alusivas as relações abusivas, onde não há violência física, mas sim psicológica, e onde a mulher muitas vezes fica por se sentir culpada, obrigada, devedora, ou não merecedora de algo melhor e acho super importante debater tudo isso, inclusive por meio de filmes e animações para que o debate chegue até as meninas. Mas não acho que é o caso da Bela. Ela parece estar sempre no controle. Ao contrário da Fera, que é inseguro, que apesar de ter acesso aquilo tudo desconhece muito, inclusive reluta em admitir a dificuldade em ler. Enquanto Bela me parece muito dona do próprio nariz, sabendo aproveitar tudo aquilo como ninguém.

No primeiro momento em que demonstra tristeza e fala que gostaria de ver o pai, a Fera proporciona a visão, por meio do espelho, e a “libera para ir”,  lembrando que ela já tinha saído antes. E ela vai para ajudar o pai, mas claramente relutante em ir.

Mais a frente, ao chegar na vila e descobrir toda a confusão com o pai, Gaston, os planos malígnos do asilo, e ao informar a vila sobre a Fera, na tentativa de salvar o pai, e de ambos sofrerem a prisão, fala para Gaston “o monstro é você, não ele”, deixando claro como se sentia em relação à Fera (e ao Gaston).

Outra coisa que em chamou atenção ao rever o filme é que ela não sabe do feitiço, não sabe que a Fera se transformaria, nem que aqueles objetos eram pessoas. Demonstrando que seus sentimentos por todos aqueles no castelo eram genuínos.

Em geral não estou aqui pra defender a Bela e a Fera enquanto filme, embora ache que mereça, mas sim pra defender a personagem da Bela. Que é uma mulher essencialmente curiosa, que busca conhecimento, que busca o mundo e que não se rende para ninguém. Quando é para se afastar do pai pelo que considera necessário, ela tem a coragem de fazer, para conhecer, para entender. A Bela se posiciona contra os avanços bem abusivos do Gaston, contra a injustiça à Fera, contra a própria Fera. Nos primeiros momentos, no primeiro dia se recusa a jantar com a Fera e diz isso em alto e bom som. A Bela não abaixa a cabeça. E por isso acho que é diminuí-la considerar que ela foi vítima da Síndrome de Estocolmo, da sedução por relação abusiva da Fera e ficou por isso. Essa não é a Bela que eu conheço.

A Bela que eu conheço é forte, corajosa e muito curiosa! Ama o desconhecido e vê as coisas pelas suas atitudes. Responde, é teimosa, faz o que quer, quando quer, não tem medo das consequências nem das represálias. A Bela é livre! E rever a animação me devolveu a confiança no meu gosto, desde os 7 anos. Na minha visão de uma mulher independente, sonhadora e curiosa. E tenho certeza que ninguém faria melhor jus a essa personagem que a Emma Watson.

(Little Town song, The Beauty and the Beast – 1991)

(Little Town song, The Beauty and the Beast – 2017)

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s