Road Trip 1 – 1ª Parte

Languedoc-Rousillon / Empordà / Girona -16/02 a 19/02

Fizemos finalmente a nossa primeira grande viagem de carro! Por grande, quero dizer mais de 2 dias na estrada. Temos planos pra viagens muito maiores, é verdade, mas como somos razoavelmente precavidos, estamos fazendo uma série de pilotos com relação a equipamento, planejamento, estrutura a ser utilizada e por aí vai. Dessa vez, testamos a disponibilidade de banheiros e wifi nas estradas (obrigado, McDonalds!), dormimos uma noite no carro e descobrimos um pouco mais sobre como evitar pedágios (depois de pagar 5 euros para andar 50 min…). A ideia é estarmos sempre aprendendo alguma coisinha para aproveitar na próxima viagem, podendo então ficar mais tempo, conhecer mais lugares, com menos gastos e mais conforto.

Para a estréia, aproveitamos que alguns amigos iriam para Girona no domingo e saímos de casa na quinta. Marcamos alguns pontos no mapa para uma rota circular e juntamos nossas coisas, entre roupa, comida e equipamentos em geral (quem sai de casa sem uma lanterna ou uma luneta?). Começamos pelo “estado” francês de Languedoc-Rousillon, “comarcas” de Pyrénées Orientales e Aude, e depois passamos para Empordà e Girona, de volta a Catalunha.

Começamos a viagem seguindo para a estrada que vai até Puigcerdà e de lá passando para Bourg-Madame, já na França, nos Pyrénées Orientales, mas só uns 20 metros. Uma pausa pra foto na beira do rio Segre, meu rio favorito, e seguimos viagem. Chegamos até Mont Louis e tivemos que fazer uma parada não planejada. De repente, uma muralha gigantesca de um forte em formato de estrela surgiu na nossa frente! Entramos na cidade, onde existe um batalhão do exército francês pronto pra bater em retirada em caso de emergência. A cidade é bem bonitinha, e a altitude dela faz com que a neve seja muito mais frequente, dando um ar bem charmoso. Só achamos que poderia ser mais bem cuidada e ter algum vendedor de crepes de nutella mais acessível. A viagem continuou até a beira do lago Matemale, onde alguns chalés se amontoam frente a uma vista incrível. Fizemos a promessa de voltar no verão para ver o lago descongelado.

Depois disso passamos para a província de Aude, que começa no aprofundamento do vale do rio com o mesmo nome. Quando digo aprofundamento do vale, é de verdade. A estrada serpenteia para um buraco gigantesco, do fundo do qual é realmente difícil ver o sol. As encostas são forradas de coníferas, o que sombreia ainda mais a região. Eventualmente chegamos em uma vila chamada Carcanières les bains, um distrito de Carcanières junto ao rio. A primeira vista a cidade pareceu incrivelmente linda. Há uma ponte que passa a poucos metros de uma cachoeirazinha, enquanto o rio que divide a cidade corre por entre as casas. Mas nossa impressão se mostrou falsa…

Paramos o carro na beira da estrada e saímos a pé para apreciar. Rapidamente um cachorro apareceu pedindo carinho, mas do nada mudou de ideia e tentou me morder. Logo, vimos um cartaz na parede de um prédio que anunciava um exorcista, médium e vidente, atendendo com hora marcada, ali mesmo. Rimos, achando graça da situação. Então percebemos que a esmagadora maioria das janelas da cidade estava fechadas. A única vitrine aberta no térreo tinha anões de jardim com sorrisos macabros empilhados junto à plantas que precisavam ter sido podadas anos atrás. As casas da cidade se concentravam do outro lado do rio, e as pontes de pedestre para alcançá-las estavam todas fechadas com portões e cadeados de tamanhos consideráveis. O bar da cidade, visível da estrada, tinha cara de estar abandonado já a tempos. Subimos para a tal ponte já descrita e de lá foi possível ver do outro lado do rio, sobre um pico, uma grande cruz meio que improvisada. Aquele era um dos poucos lugares onde batia sol na cidade… Rimos de novo, dessa vez de nervoso, e na volta pro carro, que fizemos sensivelmente mais rápida do que a ida, percebemos que a igreja tinha grades imensas na porta, fechando a passagem permanentemente. Ficamos na dúvida se era pra evitar que as pessoas entrassem ou se era pra que o que estivesse lá dentro não saísse…

Seguimos viagem o mais breve possível e logo estávamos em Carcassonne. Talvez o local mais bonito e amigável de toda a viagem. A cidade tem um castelo que, segundo a Ju, é o castelo da imaginação das crianças. Eu aproveitei a dica e defini como “castelo de Platão”, o castelo das ideias, e todos os castelos do mundo são cópias imperfeitas dele. Esse castelo tem ponte elevadiça, muralhas duplas com crenelação, torreão, uma vila interna, fosso. Não falta nada! Claro que a vila hoje se especializou em restaurantes e lojas de suvenir, mas comemos um bom crepe de nutella com um vendedor bastante simpático (não ganha do crepe da marmota, em Font Romeo, mas acho que nada ganha…). Passeando pelo centro moderno, comemos um panini de nutella também. Me pergunto por que isso não vende no mundo inteiro. O rio Aude cruza a cidade, já mais amplo e com um parque margeando, deixando o cenário ainda mais completo.

De Carcassonne fomos para Narbonne, onde demos um passeio noturno. A cidade, já bem mais próxima do mar, tem um canal estreito atravessando o centro histórico. Esse canal não é muito agradável, mas as construções em volta compensam essa falta de charme. Na praça central há uma escavação que expõe um trecho da via Domitia, uma estrada que ligava os territórios romanos, indo da atual Suíça (ou perto) até a Espanha. Incrível o que esses romanos deixaram espalhados por aí. A cidade também tem uma catedral que é absolutamente gigantesca, mas estava fechada durante a nossa passagem noturna… Fomos ainda na mesma noite até Perpignan, onde dormimos no carro mesmo, e assim acabou o primeiro dia de viagem.

01b1d126b4ba48511a06c9fceb5fc5a32d4e1e96fb-7

Muralha de Mont Louis

01f54f802e1e08e6af1215318a3201e1f71e2fdcb3-8016b9412d05130a452e1b0c7a8340c2d0ce01cbdf2-8017a371a366e5dc74937a822d17315d55ab1cb9892-70110f933fd95cbcc527599b8cec938dc86d21776da-701195e9765b87f03df03a0d80a4d0c36470872ce65-7011291f056f61cdfa81ae64e23322958f2991953e5-7

_________________________________________________________________

01c2dceaa84041fc989cdc333e3c986da5e9db6e38-8

Carcanières Les Bains

0123c1e37363e6eaeaa5ee9fed00bff5ed307f285f-70145a479189b86a707a46d7b29e4c3408815e3d41f-80173df21bc865f490333077d8a452d8fd0a49f2d65-7017b2b40a301002ddd60874f48d141598dd7dd96d5-8

013d6f3cf96eb79478458f53749e32c2e54be67c01-7

Detalhe dos portões e grades nas pontes de acesso às casas

01f11a09723eb238ef933614bda5bdd2c752596e5d-7

01210cf8fcd27183360c5369dfae1750a5b18d7f36-7

Tudo abandonado…

 

 

 

 

01ed78eb5cea433306d1865e3b7620e422e9560474-8

E frio!

_________________________________________________________________

0118e79465711ec7e69b45e5dd0ed71e1df11680e5-8

Carcassonne

012f2b91d584e6daf2503f48eb5244086eb830dfa4-801a8d5bfdec551ac20cac0342d8bebc03ea993485601ad8d5044f3fca473dca4c576342fe09a3c72818a-801327c629ac681002bd8e1f8743f403272df2ebf21-8014e551404f432583717aaca32c16e496536ed764f-701beec1e854cc2513692d69e743eb1b4c103bffba9-701a464fde7683adb1dacf905504497075310a62dac01b7a29496fa5d2d7ba0a8faea798cec844ca47525-701a3d2d2db630aa44529aad3a0732fb5f83373cf06-701aa8d3b77b6f5086b35ff5ef2b2506257b474ec94-801eca0a35c0dc42c779f339c7559af0498aca096a4-701b8b50728453737f87f3867eff9dbd73a1d39658f-701cc1194e3d7e6d21cf83bd837c80686dcdd3b546201bba49e21e55e10d81c964dc7e98fb1b4d8f640f6-7013ea0fd37525f7f0ed5bdf826094583d7dd19530e-70172ed63c0a2e4cec3f3d57aae71f005c47865c71f-7

01dc564cd1fe2b49c26ba1c5dc02b3c4f2cb9adf21-7

Cidadela dentro da muralha, hoje com restaurantes e lojinhas 

014d9c769d6e5665d7ccdeeeb48315e17bac613f5a-7016f1e939b95167725668312c315576bae4114be3b-7017b10b936a2ba9b6e5691d38d5dfb9f731705ffa60108eea751fbd27f845cd825ac0c63f63db0dbe1aa0138f817dcfe80f2758d6f3c1c20565f6990638d43-7012556c6506e5eaa72b107c4c2a288d6cdcb1c5500-7

01158e6b46323ab3490177574ef0d25b4a587accc9-7

Vista da cidade, de cima da Muralha 

01317b7151d37840d2ff4648f389b9286cee281c2a-7018288ff7220ad811c14b1e67f064e0f2c4e2600f1-8011885255b4dbe905538661acb406e1a89d0adf13d-801f580edc988178440b33cc088c05c04fbbe8237f2-8

010fa8798cb07a5ef3515554665cd546688904ea6d-7

Rio Aude

012b32d8bf9e76779784600b069498907697ed8e3a-3

Panini quentinho com nutella derretida! (Do crepe nem deu tempo pra foto!)

01a3bc1ac686078ac8dc3c43eb65940d007dbb847a01161aacdc1b84b6af1b17d8a40c5d5b81a1105396-8014118b7462510f8b82504954c77711c7cd37505a0

_________________________________________________________________

014aa8cc84fc861e9805d651f91b3b9cdb701c3b81

Narbonne

016a06a69dce32797428671d54b4feb809f743bfce

01c2e2a443214bfb3334fc25805c43ab26ff7b3442-7

A Catedral é realmente imensa

019dc203e5b44b3d8c37c19735b1ed48beddd48a92-7

Fonte da Praça Central

01609cb7f4e704f60210284f6775e010216472089a-70116dbf093003d2c9b058d2520bcc27363c716c105-701833b7f745f7e995a2ac6bba4770f94dfc1a88fa1-701ce0cce336764e1674cefaeed578a6314721af000

01ece29e19b9f61eca57d141745be2551aa90d6654

Via Domitia (trecho original romano)

0122d40e8da9036dc65bcf145c99bbcad49a70ce8b-80133b3a96887885204a57b02e813c4bf7dbdb7b834-70183c4ae2bac801c8164fa34a81226e74d22611dea-8

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s